Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Poética da alma

Criei este espaço completamente livre com o motivo de mostrar que é possível dar voz ao pensamento liberto na verdadeira expressão do espírito e da alma e as suas paixões! Um sonho inspirado em liberdade e amor.

Poética da alma

Criei este espaço completamente livre com o motivo de mostrar que é possível dar voz ao pensamento liberto na verdadeira expressão do espírito e da alma e as suas paixões! Um sonho inspirado em liberdade e amor.

Reflexão sobre a criação de um poema - Reflection of setting up a poem -

                                                                  A ordem maravilhosa

Tudo o que antecede a escrita de um poema, é um mundo por existir, que envolve tudo o que é inspiração mais imediata ( sensações, emoções, sentimentos ), e indizível. Descobri alguém que me fez entender isso de uma forma, que é tão natural, como respirar, olhar e imaginar...Decifrar o outro lado das palavras, que não são mais que uma parte muito pequena de tudo o que sentimos, e tudo é ensejo secreto de inspiração para a alma, sempre misteriosa! Eu encontrei alguém que me fez entender isso muito bem e sinto-me muito feliz por isso.E tudo pode ser sugerido se todos os sentidos se ligarem a essa maravilha que pode fazer prevalecer, a paz, a plenitude, a perfeição, a luz, o som harmonioso e sobretudo, a ordem, pois tudo funciona, se faz e refaz, porque obedece a uma determinada ordem, que posso chamar maravilhosa e perpétua.

   Tudo parte de uma qualidade, que se torna uma essência, quando pensada por quem a intercede, devido a isso vai conter o meu sentir, os meus ideais, o meu afecto. O meu poema vai conter tudo o que é para mim a essência das coisas, e por isso tudo vai existir e ter alma!

 

Translation:         The marvelous order

All of the above the writing of a poem, it is a world by exist, which envolves everything is more immediate inspiration (  sensations, emotions, feelings ), and unspeakable. I find someone who makes me understand this in a way, that is so natural, like breathing, look and imagine... Decipher the other side of words, which are nothing more than a very small part of all that we feel, everything is secret scope for the soul, always mysterious! I find someone who makes me uderstand this very well and i feel very happy for that. And everything can be suggested if every senses binding to that wonder which may prevail, the peace, the plenitude, the perfection, the light, the harmonious sound and above all, the order, because everything functions, it makes and remakes, because obeys a certain order, that i can call marvelous and perpetual.

   Everything comes from a quality, that becomes an essence, when thought by whom intercedes, due to it will contain my feel, my ideals, my affection. My poem will contain all that is for me the essence of things, and so everything will exist and have soul!

WWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWW

  Rosamar  Freedom    

Exemplo de intertextualidade de minha autoria: Comparação da ordem maravilhosa da vida submarina com a feitura de um poema. ( A ordem maravilhosa )

Exemple of intertextuality of my authorship: Comparison of the marvelous order of the underwater life with the making of a poem. ( The wonderful order ) 

..." A última palavra deste arrazoado tê-lo-á um ilustre companheiro do explorador submarino comandante Costeau , cujo relato da sua primeira aventura tive o prazer de ler há tempo num periódico francês. Foi no Mar Vermelho e conta-nos ele que quando pela primeira vez desceu àquelas profundezas onde o homem nunca pusera os pés ou a vista, o que o mais surpreendeu, o que o encheu de espanto, no meio daquela exuberância fantástica foi a ordem que se lhe deparava. Foi esta a sua primeira grande impressão!

  Exemplos servem apenas para comparação. O que eu espero é que a insuficiência das minhas explicações aqui fique superada, e que do indescritível alguma coisa haja podido ser compreendida."

  "Mas se eu pudesse tanger uma lira!..."

     Excerto de uma crónica escrita no jornal Diario de Noticias em 1965 por o arquitecto e escritor Raul Lino no livro do mesmo autor "Não é artista quem quer".