Terça-feira, 29 de Maio de 2018

Inútil eloquência? - Useless eloquence?

As palavras - O elo do pensamento? - The words - The link of thought?

                   Elocução - Elocution

Gosto das palavras

em todos os seus caminhos,

que se tornam infinitos:

em tantos destinos

são corriqueiras, preparadas, raras!

 

I like the words

in all your ways,

which become infinite:

in so many destinations

are ordinary, prepare, rare!

 

Não as subestimo sempre;

nem as elevo sempre que quero,

para mim são passado e presente na razão

para tanta coisa que venero.

São melhor forma de expressão,

mas não tudo o que espero!

 

I do not always underestimate them;

or raise them whenever i want,

for they are past and present in reason

for so much i worship.

They are the best form of expression,

but not everything i expect!

 

São como um sorriso e alegria,

não se gastam nunca pela emoção

de não estragar toda a fantasia;

elaboram os motivos, fascinação;

são o reverso para a decepção, a monotonia...

A edificar tudo o que viaja numa solidão! 

 

They are like a smile and joy,

never spend themselves for the thrill

of not ruining the whole fantasy;

are the reverse for deception, monotony...

To edify everything that travels in a solitude!

 

Estão gastas por derrubar tantos muros;

de completar acordos de paz e de guerra.

São combinação para todos os futuros;

recuos e avanços para impasses e esperas!

São decisões, dúvidas e interrogações

libertam certezas nas indecisões

 

They are exhausted by breaking down walls;

completing peace and war agreements.

Are combinations for all future;

retreats and advences to impasses and waits!

are decisions, doubts and questions

release certainties in indecisions

 

As palavras que me penetram

no pensamento mais intimo e secreto,

que não me gastam o sonho

para o melhorar em tudo o que imaginam...

São uma porta sempre aberta no incerto

na vida que suponho, não perniciosa, apenas episódio mundano

que imagino para mudar o quotidiano

sempre sistemático, mudo, tristonho!  

 

The words that penetrate me

in the most intimate and secret thought,

they do not spend me the dream

to make it better in everything you imagine...

They are a door always open in the uncertain

in the life i suppose, not pernicious, only mundane episode

that i imagine to change in the quotidian

always systematic, sad mute! 

 Rosamar  Freedom

 

 

 

 

  

publicado por lybelinha às 12:27

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Eloquente ( ou o sentimen...

. A música da alma ( Que fa...

. Criação generosa : Do abs...

. Contemporâneo ( Revelação...

. Paisagem quase rural - Al...

. Escrever o mundo (à "dist...

. Tudo o que me comove - Ev...

. A aprendizagem natural - ...

. Segredos da poesia - Sile...

. Segredos da poesia - Sile...

.arquivos

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds