Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Poética da alma

Criei este espaço completamente livre com o motivo de mostrar que é possível dar voz ao pensamento liberto na verdadeira expressão do espírito e da alma e as suas paixões! Um sonho inspirado em liberdade e amor.

Poética da alma

Criei este espaço completamente livre com o motivo de mostrar que é possível dar voz ao pensamento liberto na verdadeira expressão do espírito e da alma e as suas paixões! Um sonho inspirado em liberdade e amor.

Reflexão sobre a escrita como projecção da felicidade

    Um escrevente é alguém que é portador de um pensamento essencialmente livre, à margem das instituições e transacções.Enquanto o escritor teoricamente funciona dentro dos limites da instituição literária. Segundo os ensaístas estudiosos no presente pode-se mais falar de uma mitigação dos dois, ou seja, as fronteiras entre ambos tornaram-se muito ténues, pois os dois têm um pouco de cada.

   Um escritor que ao escrever um livro preocupa-se mais em "como o escrever" e não tanto com o "para quê" o escrever. No meu caso particular iniciei-me a escrever porque tinha coisas a dizer, por assim dizer que esse era o meu principal fito. Queria transmitir ideias e pensamentos, porque encontrei na escrita uma das melhores formas de expressão.

    Ao percorrer caminho apercebi-me que o que queria transmitir não se designava claro e fácil de dar a perceber no papel. Ao tentar ilustrar o processo recorro a uma comparação, quando um escritor escreve um romance tem de compor personagens e muitos dizem que a verdadeira magia das personagens que constroem dá-se quando estas escapam ao seu controle e ganham para além do corpo, uma vida própria.Com tudo o que poderá advir desse facto. As ideias que tento expor têm o mesmo comportamento, a certa altura ganham uma personalidade própria e tornam-se independentes. Após isso acontecer mostram aquilo de que guardam segredo e revelam-se de maneira surpreendente.  Penso que imitam mais a vida, pois a vida tem de ter uma parcela de espontaneidade, se não seremos sempre actores de uma peça de teatro que já se sabe de antemão qual vai ser o decorrer e o último acto. 

    Torna-se assim a escrita mais próxima do humano e da máxima criatividade, que se poderá colher e por sua vez recriar.

    A escrita como se fosse uma projecção da felicidade para dar lugar ao maior número de tentativas para ser feliz.

    Em sequência do que disse no parágrafo anterior, direi que tudo culmina com a aproximação às pessoas.

    Enquanto já vivi algum tempo, até hoje ainda não conheci ninguém com tanta força e tanto poder para os maiores e melhores empreendimentos do que os seres humanos.