Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alma rimada

Criei este espaço completamente livre com o motivo de mostrar que é possível dar voz ao pensamento liberto na verdadeira expressão do espírito e da alma e as suas paixões! Um sonho inspirado em liberdade e amor.

Alma rimada

Criei este espaço completamente livre com o motivo de mostrar que é possível dar voz ao pensamento liberto na verdadeira expressão do espírito e da alma e as suas paixões! Um sonho inspirado em liberdade e amor.

23.09.21

Sempre que nos desperta - Whenever it wakes us up

O frio cálido do sol de Inverno - The warm cold of the Winter sun


lybelinha

Revelações - Revelations

Rima interpolada - Interpolated rhyme

Só os poetas sabem o quanto dissecaram a tragédia!

Impetuosos e corajosos enfrentam-na tornando-a real.

Não por a ultrapassarem, mas pela coragem final,

de sua aceitação como sua pátria de magnitude etérea...

«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

Only poets know how much they dissected tragedy!

Impetuous and courageous face it by making it real.

Not for overcoming it, but for the ultimate courage,

of its acceptance as its homeland of ethereal magnitude...

******************************************************************

    Rosamar  Freedom

"O livro da vida"

Absorto, o sábio antigo, estranho a tudo, lia...

- Lia o «Livro da Vida» - herança inesperada,

que ao nascer encontrou, quando os olhos abria

Ao primeiro clarão da primeira alvorada.

 

Perto dele caminha, em ruidoso tumulto,

Todo o humano tropel num clamor ululando,

Sem que de sobre o Livro erga o seu magro vulto.

Lentamente uma a uma, as suas folhas voltando.

 

Passa o Estio, a cantar;  acumulam-se Invernos;

E ele sempre, - inclinada a dorida cabeça, -

A ler e a meditar postulados eternos,

Sem um fanal que o seu espírito esclareça!

 

Cada página abrange um estádio da Vida,

Cujo eterno segredo e alcance transcendente 

ele tenta arrancar da folha percorrida,

Como de mina obscura e pedra refulgente.

 

Mas o tempo caminha; os anos vão correndo;

Passam as gerações; tudo é pó, tudo é vão...

E ele sem descansar, sempre o seu livro lendo!

E sempre a mesma névoa, a mesma escuridão.

 

Juventude, manhãs de Abril, bocas floridas,

Amor, vozes do lar, "estos" do sentimento,

- Tudo viu num relance em imagens perdidas,

Muito longe, e a carpir, como um nocturno vento.

 

Mas então lamentando o seu estéril zelo,

Quando viu a essa luz que um instante brilhou,

Como o Livro era bom, como era bom relê-lo,

Sobre ele, para sempre, os seus olhos cerrou...

"Poema retirado do livro de o poeta português parnasiano António Feijó com o título: Sol de Inverno, seguido de vinte poesias inéditas" 

        

    

 

20.09.21

Sempre que nos desperta - Whenever it wakes us up

O frio cálido do sol de Inverno - The warm cold of the Winter sun


lybelinha

Revelações - Revelations

Rima interpolada - Interpolated rhyme

Todos os sentidos são inclinações variantes,

para uma direcção fiel sem o travo do conflito:

mas por que o ser se implica e atrai indevido,

pelo trágico instinto da dor e sofrer vigilantes?

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

All senses are variant inclinations,

for a faithful direction without the brunt of the conflict:

But why the being implies and attracts undue,

by the tragic instinct of pain and suffering vigilant?

*******************************************************

Só a encontrar pensamentos tão depostos e divergentes;

da narrativa da mátria poética do limbo de tantas convulsões,

do instinto humano que chora o desfecho das ilusões:

da luta de vencer os limites humanos que frustram tão ambivalentes!

==========================================================

Just finding thoughts so deposed and divergent;

of the narrative of the poetic matria of limbo of so many convulsions,

of the human instinct that cries the outcome of the illusions:

of the struggle to overcome the human limits that frustrate so ambivalent!

         Rosamar  Freedom                                                                                             

 

 

13.09.21

Ideias de escrita - Writing ideas

Outra chegada da Primavera


lybelinha

    Quem escreve procura a originalidade? Mas o que julgo ser mais próximo dela,

são as recreações das ideias, essas já velhas e expostas por inúmeras correntes de pensamentos... 

   A escrita é uma espécie de reconstrução e modelação do mundo, em que tantas vezes nos faz ir ao encontro, sem saber, de ideias que nós vimos escritas e que julgamos como nossas!   

   "Porque é que a Primavera é sempre diferente para mim?"

     Rosamar  Freedom

13.09.21

Ideias de escrita - Writing ideas

Outra chegada da Primavera .- Another Spring arrival


lybelinha

               "Primo vere"  - "Primeiro Verão"

    Por que é que a Primavera é sempre diferente para mim? Porque todos os anos que chega uma nova Primavera eu descubro novas formas de a descrever, mediante todas as coisas mais que vou descobrindo sobre a estação do ano que abre o inicio do ciclo da natureza, ligado inteiramente à permanência mais constante do despontar perfeito do nascer do sol e do reflorescimento da flora terrestre. 

    Com a passagem do Inverno cheio de céu carregado de nuvens e baço dos dias nebulosos, frios em que por vezes não se vislumbra uma única aparição do sol no meio do céu cinzento zinco escuro! A minha curiosidade vai-se alimentando mais sobre esse motivo de escrita, a mudança de estação do ano, enquanto torno irrepetível o meu modo de escolhas para expôr as minhas ideias. Assim originalidade também vem com tudo aquilo que vou sabendo mais, cada vez que me encontro a pensar mais uma vez na chegada de outra Primavera!   

     Rosamar  Freedom

    A Primavera é um poema por ser o inicio, um começo que se repete indifinidamente perante os meus olhos quando acontece o despontar do florescimento de toda a flora terrestre. Se pudesse enumerar todas as flores que crescem nesta estação do ano no palco da natureza não teria tempo de vida para as conhecer e saber os seus nomes. Tenho de insistir em pensar que a natureza me concede uma imaginação inquietante e sem fim!

    Quando finalmente acordo e sinto o ar com uma temperatura amena e constante, sei que a Primavera começa mais uma vez.Nesse dia também sei que por ser uma data equinocial, o dia e a noite têm a mesma duração desenhada pela linha do equador no globo terrestre.Os dias vão-se tornando mais longos, começam a crescer e as noites, mais curtas. 

    Rosamar  Freedom