Quinta-feira, 31 de Julho de 2014

Porque gosto de ti, não sei ( a falta de explicação para o amor )

Why i love you, i don`t know   (The lack of explanation for the love)

 

Perguntei às formas que desenhavam as diferentes folhas,

às cordiformes, que eram corações perfeitos.

Às peltadas que perfazem um escudo para os meus enleios,

às sagitadas que são como setas mágicas...

Transformadas nestas palavras inspiradas,

que são mote de segredos incompletos em folhas elípticas!

 

I asked the shapes that draw the different leaves,

the cordates, which were perfect hearts.

the peltates that make up a shield for my reveries, 

the sagittates that are as magical arrows...

Transformed in these inspired words,

which are motto of incomplete secrets in eliptical leaves!

-------------------------------------------------------------------------   

E nesta simetria sublime, inquieta, por saber

encontrei-me em subtileza gentil.

Tentando libertar todos os meus motivos, por querer,

que me direccionam a imaginação desperta!

Sem me perder, a sentir, de descoberta em descoberta.

 

And in this sublime symmetry, restless, by knowing

i find myself in gentle subtlety.

Trying release all my motifs, by wanting,

that direct me the imagination awakens!

Without get lost, feeling, from discovery to discovery.

---------------------------------------------------------------------------

   Rosamar  Freedom        

publicado por lybelinha às 07:26

link do post | comentar | favorito

Destinos voláteis - volatiles destinies

Não te pressinto, em segundos

mas sei o que sei,

e esta linha que traz aqui

a verdade de um amor profundo,

não mente, mas se ofusca, pois calei.

Por hoje sentir o que senti!

 

I don`t feel you, in seconds

but i know what i know,

and this line that bring here

the truth of one deep love,

doesn`t lie, but  it overshadow, for i hush.

By today feel what i feel!

-------------------------------------------------

Tudo me trazia os sinais presentes...

Que não se deixam ver,

escondidos no medo que cala

e uma outra tristeza exala

do meu coração a doer!

E discorri para destinos dormentes.

 

Everything bring me the present signals...

that don`t fail to see,

hide in fear that hush

and one sadness exhale

of my heart to ache!

And expatiate for dormant destinies.

-------------------------------------------------

   Rosamar  Freedom     

publicado por lybelinha às 05:54

link do post | comentar | favorito
Sábado, 26 de Julho de 2014

Porque gosto de ti, não sei ( a falta de explicação para o amor )

  Why i love you, i don`t know ( the lack of explanation for the love )

 

Perguntei à perfeição única da natureza,

perguntei à névoa que cobre o céu e as casas de branco baço.

Perguntei ao artista que desenha o motivo com seu traço...

Perguntei ao cientista que não desiste de ajudar a humanidade.

Perguntei aos meus ideais que amavam a liberdade!

 

I asked to the unique perfection of nature,

i asked to the mist that covers the sky and the houses of spleen white.

I asked to the artist that draws the motif with his dash...

I asked to the scientist that doesn`t give up of helping the humanity.

I asked to my ideals that loved freedom!

---------------------------------------------------------------------------------- 

--Rosamar  Freedom--------------------------------------------------------------------------------

publicado por lybelinha às 15:10

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 25 de Julho de 2014

Porque gosto de ti, não sei

Why i love you, i don`t know   ( the lack of explanation for the love )

 

O amor e a paixão carece de explicação,

mas sempre que é vivido em momentos e instantes

faz acelerar a velocidade do meu coração!

Faz sentir o pleno estado de felicidade,

numa delicadeza que oferece tamanha liberdade.

 

Love and passion lacks for explanation,

but always that is lived in moments and instants

make accelerate the speed of my heart!

Make me feel the full state of happiness,

in one delicacy which gives such freedom. 

------------------------------------------------------------------------

Perguntei à gaivota que me ensinou a voar sem medo...

Perguntei ao vento e aos dias tristes,

perguntei ao sussurro mágico

daquele sinuoso e pequeno riacho.

Perguntei às rochas dos declives,

perguntei à linha tão certa do horizonte ao longe, onde parece acabar o mar!

 

I asked to the seagull that teach me to fly without fear...

I asked to the wind and to the sad days,

i asked to the magic whisper

of that sinuous and small stream.

I asked to the rocks of the slopes,

i asked to line so certain in the horizon to far, where seems to end the sea!

------------------------------------------------------------------------------------

   Rosamar  Freedom

publicado por lybelinha às 09:43

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Julho de 2014

Porque gosto de ti, não sei ( a falta de explicação para o amor )

   Why i love you, i don`t know   ( The lack of explanation for the love )

 

Perguntei às minhas primeiras inspirações

o que seria tudo isto que sentia;

perguntei à lua, que só brilhava e nada me dizia...

perguntei ao sol que me aquecia o frio das indecisões;

perguntei ao céu e seu manto de veludo,

em imaginação de suas constelações!

 

I asked to my first inspirations

which would all this that i felt;

i asked the moon, which only shine and said me nothing...

I asked the sun that warm me the cold of indecisions;

i asked the sky and his velvet cloak,

in imagination with their constellations!

--------------------------------------------------------------------

Perguntei ao mar em sua turbulência grandiosa...

Perguntei às conchinhas e às algas entrelaçadas na areia,

perguntei aos pássaros que cantam uma melodia que me enleia.

Perguntei às abelhas que colhem o pólen de uma bela flor viçosa!

 

I asked the sea in his huge turbulence...

I asked the little seashells and the interlaced seaweeds in sand,

i asked the birds that sing one melody that ensnare me.

I asked the bees that reap the pollen of one lovely and lush flower!

-----------------------------------------------------------------------------

Perguntei às folhas caídas ensopadas de chuva fria...

Perguntei à árvore vazia, no Outono,

que aguardava em seus troncos despidos, por um ciclo novo.

Perguntei à Primavera que me trazia a luz de um novo dia!

Perguntei ao meu sonho de Verão, que renasce nesta paixão por ti.

 

I asked the  fallen leaves sodden of cold rain...

I asked the empty tree, in Autumn,

that wait in their undress driftwood, for one new cycle.

I asked the Spring that bring me the light of a new day!

I asked to my «Summer dream», which reborn in this passion for you.

 

Rosamar  Freedom

------------------------------------------------------------------------------- 

     

   

 

 

 

 

   

publicado por lybelinha às 17:41

link do post | comentar | favorito

Porque gosto de ti, não sei ( a falta de explicação para o amor )

    why i love you, i don`t know ( the lack of explanation for the love )

 

Enquanto fui gastando as palavras,

que me levavam até ti, assim;

procurei todo o mistério,

que me mantinha cativa, num sonho sem fim...

Como se mudasse para outro hemisfério!

 

While i was wasting the words,

that led me to you, like that;

search all the mystery, 

that kept me captive, in a dream without an end...

As i change for another hemisphere!

**************************************************

   Rosamar  Freedom

publicado por lybelinha às 16:35

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 15 de Julho de 2014

Música na alma ( breve encontro transcendente )

  Music in the soul ( brief transcendent encounter) 

O abstracto da música e o encontro com as palavras

The abstract of music and the encounter of words)

 

Cedes-me este lado lúdico poético,

que brinca com todos os lados das palavras

que são viajantes e saudosas de voltar a si.

Ganho-as ao saber que as perdi!

Uso-as em seus ecos e modos, admiro-as depois ilesas.

 

You give me this poetic playfull side,

which with all the sides of words

that are travelers and nostalgic of come back to themselves.

I gain them until learn that i lost them!

I use them in their echoes and modes, admire them after unharmed.

-----------------------------------------------------------------------------

A música que encontra a alma,

por entre estas e outras vozes

que são pelo meio de palavras esculpidas;

Imprime ( a música ) o sentido liberto que salva,

todo o mistério da criação em ténues inspirações fugazes!

 

The music that find the soul,

through this and other voices

that are among of carved words;

prints out ( music ) the free sense that saves,

all the mystery of creation in tenuous and fleeting inspirations!

-------------------------------------------------------------------------

Tu que cantas tuas melodias,

em perfeita sintonia no meu ouvido

nada de ermas dissonâncias.

E todas as palavras beijam o solfejo,

num casamento perfeito que é ensejo!

 

You that sings your melodies,

in perfect tune in my ear

nothing of desert dissonances.

And all words kiss the solfeggio,

in a perfect marriage that is occasion!

-------------------------------------------------

Te confesso este sonho meu;

que acalento em minha letra redonda.

Um encontro com ela ( a letra ) e a pauta músical!

Numa junção da alma subliminal,

com esse solfejo em que te escondes nesse eterno momento.

 

I confess you this dream of mine;

that i cherish in my round letter.

One encounter with her ( letter ) and the solfeggio!

In a juction of subliminal soul,

with that solfeggio in which you hide in that eternal moment.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

 Rosamar  Freedom

 

 

 

   

 

 

 

 

publicado por lybelinha às 11:18

link do post | comentar | favorito
Sábado, 12 de Julho de 2014

Aquele amor fugidio ( o qual queria viver )

  That fugitive love ( Which want to live )

 

Mas que recordo

num dia de Verão!

Em imagens repentinas...

Todos os seus momentos de novo.

E tudo o que sentiu o meu coração.

 

But i recall

in a Summer day!

In sudden images...

All their moments again.

And everything my heart felt.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

E de novo algo acontece,

sem que possa evitar.

Retenho essa velha recordação

que as malhas do tempo desvanece.

E torno de novo a recordar essa doce paixão!

 

And again something happen,

without can`t avoid.

I retain that old souvenir

that the meshes of time fade.

And render again to recall that sweet passion!

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Se eu pudesse, ah se eu pudesse...

Fazer recuar o tempo!

E viver essa doce paixão em pleno.

Como seria, como seria, se eu pudesse,

tocar e sentir esse sentimento!

 

If i could, ah if i could...

Roll back the time!

And live that sweet passion fully.

How would, how would, if i could

touch and feel that feeling!

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

   Rosamar  Freedom 

  

   Dedicado a todas as pessoas que deixaram no tempo uma paixão e um amor por viver.

   Dedicated to all persons that leave in time one passion and one love unexperienced. 

   

 

 

publicado por lybelinha às 12:21

link do post | comentar | favorito

Aquele amor fugidio ( O qual queria viver )

that fugitive love ( Which want to live )

 

Para sempre ficou,

aquela memória tão breve

daquele amor não vivido.

Lampejo de instantes que o tempo deteve,

que por vezes em saudades revivo!

 

Forever stay,

that memory so brief

of that love unexperienced.

Sparkle of instants that the time suspend,

that sometimes in longing relive!

--------------------------------------------------

Amor fugidio,

que não pode acontecer...

Enamoramento instantâneo

que não cede à vontade, para se perder,

num lugar da memória, em silêncio!

 

Fugitive love,

which couldn`t happen...

instantaneous enchantment

that doesn`t cede to the will, to get lost,

in a place of memory, in silence!

------------------------------------------------

  Rosamar  Freedom   

publicado por lybelinha às 02:27

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Julho de 2014

Música na alma ( breve encontro transcendente )

     Music in soul ( brief transcendent encounter )

 O abstrato da música e o encontro com as palavras

 The abstract of music and the encounter with words )

 

E tento discorrer só para te encontrar,

em estranha inspiração.

Traço um qual caminho em desacerto,

despojado de tantos outros sem destino

e logo recomeço em inesperado tracejo!

 

And i try expatiate only for to find you,

in strange inspiration.

I trace one which path in a mistake

divested of many others without destiny

and soon i resumption and sudden draw a line!

-----------------------------------------------------------

  Rosamar  Freedom 

 

publicado por lybelinha às 16:27

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Literacia do coração - He...

. Mil poemas de solidão ( A...

. Eloquente ( ou o sentimen...

. A música da alma ( Que fa...

. Criação generosa : Do abs...

. Contemporâneo ( Revelação...

. Paisagem quase rural - Al...

. Escrever o mundo (à "dist...

. Tudo o que me comove - Ev...

. A aprendizagem natural - ...

.arquivos

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds