Quarta-feira, 29 de Maio de 2013

Pensamento desejado ou necessidade humana ( adoração a mitos )

                   Tentativa de compreensão  - tentative to comprehension

 

Projecção de sonhos, de pensamentos, emoções e sentimentos.

Veículo de reflexão dinâmica de uma imaginação,

que se mantém ancorada em dimensionadas incertezas...

Transformada em inúmeras possibilidades, antes presas!

Assim se caracteriza a utilidade maravilhosa dos mitos.

 

Intocáveis e sempre em constante reconstrução.

Falam por nós na plenitude de sua disposição,

que se abre a um mundo que partilha o que parece impossível!

Espaço libertador, palco de todos os sonhos em rebelião.

Hino à liberdade humana que se torna uma verdade possível.

 

Não queria imaginar a humanidade sem mitos!

Porque esses em seu estranho lado endeusado

jamais decepcionam os meus desejos e ambições.

Me mantém ancorada em desejados pensamentos e emoções!

São a resposta positiva, um mundo aberto, para todo o meu "eu" revelado.

 

Nessa perigosa sensação que seria ser o próprio mito,

reclamo o meu ser para apenas o fazer crescer!

Revejo de novo todos os meus sonhos esquecidos

procurando o equilíbrio da imaginação que não deixa de querer

que é sentir o meu "grande e pequeno " mundo de sentimentos, emoções e pensamentos.

Rosamar  Freedom

 

Translation

Wishful thiking or human need ( adoration to myths )

 

Projection dreams, of thoughts, emotions and feelings.

Dynamic reflection vehicle of an imagination,

which remains anchored in dimensioned uncertainties... 

Transformed into numerous possibilities, before hanging!

So it characterized the wonderful utility of myths.

 

Untouchable and always in constant reconstruction.

They speak for us in the fullness of their disposal,

which opens to a world that seems impossible!

Space liberator stage of rebellion in dreams.

Anthem to human freedom that makes possible true.

 

 

 

publicado por lybelinha às 12:02

link do post | comentar | favorito
Sábado, 18 de Maio de 2013

Adentro os contornos da paisagem - dia e noite

          Possibilidades da ideia de movimento da paisagem e seus componentes

          Poetas vivem em comunhão com a natureza.

 

Em planos recortados pelo dia estendo o olhar

Em intensidade infinita e momentânea,

decoro as intermitentes linhas do horizonte

que se fecham e se abrem em certa dinâmica

que concentram e desviam a atenção daquele lugar...

 

Queria assim a possibilidade de um plano rápido e abrangente!

Que me desse alguns pontos convergentes;

Como se chamasse a total comunhão das coisas:

As nuvens escassas deslocam-se num sinal de movimento.

Em todo o céu azul claro água, que traz "sedimento"!

 

Abaixo das nuvens viajantes, as ternas folhagens das árvores

Que habitam a linha irregular da curva dos montes,

em coabitação com a selvagem e verdejante erva e seus arbustos.

Paisagem ondulante que faz dançar as linhas dos horizontes 

em sua descida, as fileiras incertas, de telhados laranjas aos pares!

 

O cimento das inúmeras habitações enche todo o relevo da encosta em silêncio austero!

Mostrando todas as geométricamente perfeitas janelas reflectidas

nas paredes das casas, como aberturas de liberdade e enlevo...

Seguindo em descida a par da escala das aves a guiar suas subidas!

È noite, reavivo a chegada ao " plano inclinado " da linha curva do solo, como avesso.  

 

Rosamar  Freedom      

 


 

Translation of the first, second, third and fourth strophes

 

     Inside of the contours of the landescape - Day and night

 

     Possibilities of the idea of the movement of the landescape and their components

     Poets living in communion with nature

 

In indented plans by the day, i observe the view

In endless and brief intensity,

i learn by heart the intermittent skyline

That close it and open it in certainly dynamic

Who concentrate and distract the attencion of the place...

 

I wanted like that the possibility of an inclusive and fast plan!

Who gave me some convergent points ( lines of horizon );

How is calling the totally communion of things:

The few clouds moving out in signe of movement.

Above in his blue and bright sky falls water who brings "sediment"! 

 

Under the traveler clouds, the tender foliage of the trees

Who inhabit the irregular line of the bend of the hills,

in cohabiting with verdant and wild grass and their bushes.

Undulate landescape that make dance the lines of the orange horizons

In its descent, the uncertain ranks with to peers roofs!

 

The cement of numerous housing fill the entire relievo slope, in austere silence!

Showing all the geomatrically, perfect windows reflected

on the walls of the houses, like "openings" of rapture and freedom...

Folowing in climb-down au pair of  birds stopover to guide their soaring!

It`s night revive the arrived to the slant of the curve line of the solo, like the reverse.

 

Rosamar  Freedom    

 


 

publicado por lybelinha às 10:24

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Maio de 2013

I`m loving in an interlude - fill in a gap

I`m trying, yes i`m trying...

Save words in my mind.

To keep my promise inside of me!

 

Hear my heart singing in a semitone

Playing a lonely song.

Thinking in loving someone!

 

Acutes or graves, dreams are the same.

The tones of love change in seconds of flame!

Always coloring my rainy days.

 

Rising for a better day.

Escaping for a fancy place.

In a timeless escape for love!

 

Rosamar  Freedom  

publicado por lybelinha às 11:37

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 6 de Maio de 2013

A minha canção com influências - mares da lua e a clave do amor

Não desejei partir nesse dia!

Que era apenas um dia diferente.

Aquele em que revia tudo o que não sei no presente.

 

O dia concorria cheio de vantagens em todas as suas horas

Que não eram horas quaisquer.

Que se intitulavam por todos os meus não saberes e quereres!

 

Se tive essa liberdade de cantar todos os sóis;

De medir com o olhar o desenhar da paisagem

e de a declamar e descrever até à evasiva miragem...

 

De tornar o sinuoso sopé da montanha real!

Num poema divino cantado num dos mares da lua...

Que influencia a maré numa canção sideral.

 

Quem me disse que assim nasceu a inspiração?

Nessa densa busca pelo que não sei e que procuro...

Como quem tacteia a perceito em volátil obscuro!

 

Quem me chamou em secreto acenar

para me marcar na memória da imaginação,

os trilhos longos da aventura feita canção!

 

Porque pensei que as memórias refazem os sonhos perdidos.

Permitem as melhores lembranças

e reavivam a busca da imaginação em novas esperanças!

 

Mas que secreta influência teve dada recordação

De uma distante partilha ancorada em ténue transformação

de acreditar que o amor influenciou a minha canção!

 

Tinha marcado o caminho com rimas,

que eram nascidas, algumas e todas da minha emoção!

Tentei procurar o presente pelo meio de sua revisitação.

 

Por ser o único que era parte de tamanho e único mistério...

Esse dado presente a acontecer como relâmpagos de madrugadas,

demarcava-se em compassos de espera em ambíguo silêncio!

 

E cada silêncio tinha intervalos de tempo desiguais

Em que tentei combinar os diferentes sons numa só melodia.

Por meio de um arranjo poético guiado pela "clave do amor" e seus sinais!

 

Se eu pudesse ser como os outros, talvez...

Mas não, essa afiada indecisão era como os versos,

existiam na incerta corrente de se tornar a transformar mais uma vez!

 

Porque era todo o reino poético que recreava os dias pela manhã

Com seus embaixadores e embaixatrizes das pausas e suas melodias( os poetas e as poetizas)

Em uma perfeita sucessão de letras(sons) e harmonias simultâneas! 

 

Rosamar  Freedom

    

publicado por lybelinha às 03:57

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Eloquente ( ou o sentimen...

. A música da alma ( Que fa...

. Criação generosa : Do abs...

. Contemporâneo ( Revelação...

. Paisagem quase rural - Al...

. Escrever o mundo (à "dist...

. Tudo o que me comove - Ev...

. A aprendizagem natural - ...

. Segredos da poesia - Sile...

. Segredos da poesia - Sile...

.arquivos

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds