Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Poética da alma

Criei este espaço completamente livre com o motivo de mostrar que é possível dar voz ao pensamento liberto na verdadeira expressão do espírito e da alma e as suas paixões! Um sonho inspirado em liberdade e amor.

Poética da alma

Criei este espaço completamente livre com o motivo de mostrar que é possível dar voz ao pensamento liberto na verdadeira expressão do espírito e da alma e as suas paixões! Um sonho inspirado em liberdade e amor.

Galáxia

    Enquanto saboreavam o café e os sons as letras de música que levitavam no ambiente mágico e muito acolhedor, ambos trocavam olhares tão intensos que nem se sabia se seriam um prenuncio de uma forte amizade ou de um grande amor.

    - Divina, há dois segredos que me trazem ancorado num sonho que me faz sentir embevecido e permanentemente curioso...

    - E quais são, gostava de saber ? - replicou Divina

    - Um é descobrir porque é que só o sol tem o privilégio de ter um conjunto de planetas em torno dele. - desvendou Alípio

    - E quais são ? - perguntou Divina curiosa

    - São por ordem crescente, Mercúrio, Vénus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Úrano, Neptuno e Plutão. Sendo que as orbitas destes planetas cumpridas nos movimentos de translação, são todas elípticas, umas mais excêntricas que outras. - explicou Alípio

    - E é isso que caracteriza o nosso sistema solar ?

    - Sim porque até hoje os astrónomos não conseguiram descobrir muitos sistemas solares. São descobertas estrelas, umas maiores, outras menores do que o sol, mas desprovidas de planetas que as orbitem. - assegurou Alípio     

A contradição em direcção a um novo patamar

A base do conflito:  A luta entre o sonho e a realidade

    Enquanto na prosa literária não me encontro dentro de uma liberdade total, porque tenho de utilizar pensamentos mais lógicos, mais baseados na razão, e sem querer, deixar mais de parte os pensamentos sensíveis  alojados nas emoções e nos sentimentos e desse modo se tornam mais fáceis de  conduzir e controlar. Neste género literário também trabalho com o acaso porque o acontecimento das coisas sem que se faça nada com o objectivo de estas acontecerem existe em qualquer dinâmica de espaço , quer seja na dinâmica voltada para o sonho, quer seja na dinâmica virada para a racionalidade. 

      E quando se trata de reprimir, de rejeitar. não se pode já falar de uma liberdade total e plena. Devido a isso penso que, não obstante, os seres humanos serem na realidade uma combinação do onírico e da racionalidade, existe um conflito que está eternamente por resolver, quando em plena consciência, uma pessoa se dá conta que é uma mistura insolúvel ou possivelmente solúvel do sonho e do real que se identifica com a racionalidade. Mas é a partir daí que tudo começa, em que tudo se inicia, é esse o princípio básico da condição humana, a luta sem tréguas entre o sonho e a realidade.      

     Quando se fala de realidade tenta-se que esta tenha conexão com o sonho e ao procurar encontrei um elo de ligação que dinamiza o sonho e o leva para a realidade; encontrei-me então, não numa realidade estática e imóvel, mas uma volátil e dinâmica.

      Sendo que a " dialectica literária " caracteriza a realidade como algo que não está determinado de uma vez para sempre, mas como algo sujeito a um processo de constante transformação, tendo como principal motor, a contradição.

       A realidade, segundo esta óptica, vai ser ela que vai espicaçar os sonhos , vai pô-los em movimento, vai actualizá-los,  procurar um possível entendimento. Invertendo o ponto de partida, do sonho para a realidade, ou seja, partir da realidade para o sonho, experimentação essa que vai revolucionar o " cliché " de que a realidade é para muitos um  dado adquirido, repetitiva, estática e indissolúvel. 

 

 

A contradição em direcção a um novo patamar

A base do conflito : A luta entre o sonho e a realidade

    Tudo era estático e imóvel e só senti que algo se moveu quando cheguei à primeira incoerência, quando dei conta da primeira contradição veiculada por aquilo que eu tinha escrito antes.

    A primeira incoerência que me fez avançar foi o conflito entre as ideias pré-concebidas e as ideias per-concebidas.

     A grande segunda incoerência em que esbarrei foi a distinção entre um mundo em que tudo se constrói como se fosse um sonho, sempre entrelaçada nos meus desejos e por isso me faz espicaçar a criatividade e a imaginação deixando-me livre para criar. E um outro mundo em que tudo acontece sob as leis da natureza, ou seja tudo é fruto de puro acaso! E devido a isso funciona como uma fonte de criatividade e de imaginação.

    Talvez esta encruzilhada de situações dinâmicas ( sonho- imaginação, acaso-criatividade ) se tenham misturado e tenham tido um ponto de encontro porque eu navego entre os dois mundos.

    Quando falo em dois mundos refiro-me ao mundo da feitura da poesia e da prosa poética e ao mundo da prosa literária.

     Na poesia , sinónimo da liberdade e da ambiguidade em que posso construir um mundo inteiramente idealizado e conforme a minha vontade e o meu desejo e de tudo o que o meu espiríto criativo conseguir captar no acaso, pois a poesia é a transfiguração de tudo e de nada, contrói e desconstroi. Faz desaprender com o intuito de desbloquear. Ao utilizar uma linguagem transgressiva desmorona clichès e estereotipos cultivando a espontaneidade na construção para inventar o homem. 

    É uma edificação gigantesca sem um vinculo a nada.          

A contradição em direcção a um novo patamar

 A base do conflito: A luta entre o sonho e a realidade

    Por entre letras e verbos percorri caminho que me fez chegar junto dos meus pensamentos e dos meus sentimentos e sem me aperceber esbarrei entre as quatro paredes do meu senso e do meu valor. Estava tudo nos sítios que eu queria e como eu desejava, mas a felicidade extrema que me fazia sentir no auge, foi-se esvaindo ao sentir que não mais avançava. Não por me sentir em concordância comigo mesma, mas porque isso não me dava acesso a um outro nível de entendimento com muitas mais coisas, que tinha a certeza, que haviam para descobrir e aprender.    

Flor do acaso ( flor da vida )

    Como construtor da civilização, o homem ultrapassou-se e ultrapassou os limites da imaginação, descobriu, aventurou-se, construiu, implantou, inovou, inventou, melhorou, tornou possível o mundo adequado aos seres vivos. Transformou condições inóspitas em maravilhosas e fabulosas comunidades humanas com regras, leis. e parâmetros de vida que permitiram que a evolução humana se tornasse imparável.

    Foi quando o homem começou a exigir mais e mais, sentiu uma ambição desmedida e principalmente egoísta é que se iniciou o trajecto que terá  como consequências, a catástrofe ambiental e humana.Quis mexer na ordem natural das coisas, que ele sabia não poder controlar o seu ritmo próprio que as faz funcionar bem. A sua impaciência , devido à sua ambição desmedida quis criar processos que fizessem com que a natureza lhe oferecesse resultados o mais rapidamente possível.

    Tudo o que nos rodeia do qual dependemos, a natureza, o gigante ecossistema que nos fornece  o oxigénio, que nos permite respirar e os nutrientes, que nos permitem viver. Este mesmo ecossistema rege-se por leis próprias a que se podem chamar uma combinação de felizes acasos, senão como tudo poderia funcionar de modo tão perfeito para gerar a existência de vida no nosso planeta? Se foi Deus que fez as leis da natureza? Então porque é que os homens se atreveram a interferir na grandiosa obra de Deus? Foi o principio da destruição do bem mais precioso não preservado nem sequer respeitado, A vida no " nosso planeta ".

A poesia - Fonte da natureza

 

 

     O poeta é filho do acaso, que se identifica com a liberdade total, todos os seus encadeamentos são geradores de vida e também provém da vida que já existe e da que está ainda por descobrir, vai assim descobrindo e gerando vida.

     A arte é uma corrente fortuita principalmente do acaso, ( não obstante ser também interprete do mundo já existente que a rodeia ), ela ajuda a construir e a reconstruir o mundo, acrescentando-lhe atributos e dinamismo. Propõe a descoberta do original, põe o mistério a descoberto, mas é sempre a mais genuína fonte do acaso, daquilo que está por descobrir.  

     Os grandes avanços e descobertas da ciência são frutos do acaso

     As mais importantes descobertas ligadas à ciência que se baseiam numa busca e tentativas da forma mais exaustiva possível, aconteceram quando a combinação de determinados elementos dão lugar à solução que se busca. Essa combinação perfeita de vários acasos bem sucedidos é que geram a evolução do mundo. 

     Tudo se baseia na busca do insondável que nos escapa, que ainda está por descobrir.