Terça-feira, 17 de Junho de 2008

As entrelinhas -linguagem confusa ou inteligente ? - ou apenas o livre arbítrio do leitor-

Fazem-me aquele nervoso miudinho,

essas entrelinhas disfarçadas.

O que quererão dizer, então...

São uma acusação ou apenas ciladas?

Tendem a desequilibrar ou dão uma lição.


Disfarçam a mentira ou a  verdade?

Ensaiam planos tão secretos,

ou são evidências tímidas?

São cobardias e não medos.

Ou valentias que escondias!

 


Calas ou acusas entre palavras,

as culpas ou  as ilibações.

Brincas sem pudor à coragem...

Entre linhas e entrelinhas dás direcções.

Em que as certezas se tornam dúvidas na tua linguagem.

 


É uma tradição já antiga ,

essa de dizer por outras palavras

com cuidados ou descuidos,

encandeadas ou assim desencontradas.

Silenciosas ou cheias de ruídos!

 


Emanam confusões em sentido...

São insensíveis, não clarificam.

Fazem uso de muitas intenções,

negam então ou afirmam?

Dão liberdade ou calam prisões!

 


Demonstram o querer dizer:

São alertas que se escondem...

Deslindam estranhos mistérios.

Provocam a ordem ou desordem?

Fundam ou baralham critérios!

 


Formam perigo ou são paraísos?

Dissolvem dúvidas ou são perguntas!

Causam medo ou incompreensão.

Planeiam paz e dão esperanças.

Matam o mal e são coração!

 


 Rosamar  Freedom

publicado por lybelinha às 08:35

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Junho de 2008

A linguagem depois da linguagem - por descobrir

      É muito   insolente da minha parte querer abordar um tema do qual sei muito pouco , e por isso mesmo a consciência desse facto é que me empurrou para um mundo quase aterrador e quase totalmente desconhecido.

      Quando escrevo, os meus alvos ou objectivos são tão claros e resolvidos na minha cabeça que nunca  tentei  virar no outro cruzamento nem me baralhei nos entroncamentos a escolher.

       Só me apercebi disso quando transferi os campos de linguagem, passo a explicar, a linguagem oral de qualquer tipo de quotidiano,  com seus valores, seus objectivos ou interesses, figurava-se-me ainda mais insondável e mais difícil de perceber e compreender. Apercebi-me então que tudo o que tinha feito até àquela altura em termos de escrita se tinha tornado quase uma grande radiografia do meu ego e da minha alma . O que me assustou muito por que m e senti a km  de luz das pessoas e do mundo. ou pelo menos apenas deram sempre pelas minhas palavras, mas  eu quase nunca tinha existência como dona delas.  Uma das frases mais optimistas sobre a linguagem- até conhecer outra-  " A linguagem está nos postos de comando da imaginação".

        A minha linguagem tem inscrita elevação espiritual com o sonho sempre a pilotar aonde a alma tem alojamento primordial em que o guia objectivo é apenas um : a  simplificação de todos os labirintos da alma humana, que parecem quase impossibilitados de ter uma linguagem acessível e compreensível para o homem.

         Tema em estudo e em desenvolvimento.

publicado por lybelinha às 15:09

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 5 de Junho de 2008

Beleza Poética

 

 

              Entendimento frugal

         Acalenta o meu sonho

         De possibilidade estética

         Dum momento real

          Neste sentir que exponho

          Em liberdade poética


         Entranhas são pressentimentos

         De instantes prisioneiros

         No tamanho universo

         Que são mil dialectos

         Da terra e seus mistérios

         Que se iniciam na flor do verso.

 


                             Rosamar freedom

 

               

publicado por lybelinha às 21:35

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Junho de 2008

Compreensão da imaginação ( ou o jogo de arquétipos pessoais)

Sem saber entender,

este meu imaginário.

Olhei-o então intensamente...

E percebi o que era diferente,

o seu modo tão, tão solidário

com o meu desejo e o meu querer.

 


Na quase impossibilidade de concretização,

então sem saber me deparei

com teu estranho mundo...

Que me depurava tudo ao segundo!

Sem limites, nem qualquer lei.

Apenas o sonho e um coração.


Senti medo na interiorização

não acreditei e até quebrei.

Mas tu nesse modo tão coerente,

me deste o passo de quem aprende,

dentro de um sentimento que é rei!

Quebraste as amarras dessa prisão.

 


O permanecer do sonho subsiste

encontra o ser inacabado...

Sempre a amparar o jejuar,

numa luta constante por se equilibrar,

entre as duas forças aprisionado.

Realidade e possibilidade que persiste...


   Rosamar  Freedom  

publicado por lybelinha às 16:41

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Literacia do coração - He...

. Mil poemas de solidão ( A...

. Eloquente ( ou o sentimen...

. A música da alma ( Que fa...

. Criação generosa : Do abs...

. Contemporâneo ( Revelação...

. Paisagem quase rural - Al...

. Escrever o mundo (à "dist...

. Tudo o que me comove - Ev...

. A aprendizagem natural - ...

.arquivos

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds