Sexta-feira, 27 de Março de 2015

Fragmentos da alma - Soul Fragments

 

Comunica o sonho tão levemente,

no jardim de todos os desejos.

A alma transcende os limites,

e simula um mundo em doces ensejos...

É força, força quando desistes!

..................................................................

Comunicates the dream so slightly,

in garden of all desires.

Soul transcends the limits,

and simulates a world in sweet opportunity...

Is strength, strength when you give up !

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Em seu caminho sinuoso e dificil,

labirinto de espelhos

que reflectem tanto, e sem perceber

perdida a decifrar, a ler em seus olhos;

a tentar não me perder em seu ardil!

..................................................................

In its sinuous and difficult path,

mirror maze

that reveals so much, and without understand

lost to decifer, to read in their eyes;

to try not lose me in his ruse!

;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;

O meu sonho em que ela pressente,

por o seu sentido.

Em desejo premente, amiúde...

Seduzida pela pureza, alude, coração

a essa terna inspiração...

Em qualquer tempo perdido!

.......................................................................

My dream in what she foresees, ( soul )

by his sense.

In pressing desire, again and again...

Seduced by purity, alludes, heart

to his tender inspiration...

In any lost time!

;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;     

Sem palavras me seguiste, permitiste

o cerne do maravilhoso,

do indecifrável que é paz, e doce repouso

juntando tudo, fragmentos da alma...

que reclamam pensamentos em tantos lamentos!

.................................................................................

Without words you folow me, allowed

heartwood of wonderful,

of indecipherable which is peace, and sweet resting

joint everything, soul fragments...

that reclaim thoughts in so many laments!

;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;; 

Porque és assim para mim,

constante aventureira.

Alma, infinito sem ter fim,

tens o que não sei dizer,

mas sempre és verdadeira

mas sempre me dás o sentido de viver!

.....................................................................................

Because you are so for me,

constant adventuress.

Soul, infinit without an end,

you´ve got what i can`t say,

but are always true

but always give me the sense of living!

;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;

Porque estás em mim,

estás nos outros;

estás no prazer que sinto!

Escondes-te, és aparição, desejo, ilusão,

ou pura imaginação...

Deslindas mistérios e encontros,

és puro voo de liberdade sem fim!

.......................................................................

Because you`re in me,

you`re in the others;

you`re in pleasure that i feel!

You hide, you`re apparition, desire, illusion,

or pure imagination...

Unravel misteries and encounters,

you`re pure flight of freedom without an end!

;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;

  Rosamar  Freedom   

 

 

 

 

 

publicado por lybelinha às 17:10

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 24 de Março de 2015

O meu teclado - Lágrimas

My keyboard - Tears

 

Dizer o meu sentimento

não tenho, não tenho,

essa facilidade de intenção;

de fazer menção

do meu envolvimento,

que não me lembro

com este meu coração!

------------------------------------------------

Say my feeling

i don`t have, i don`t have,

that facility of intention;

from mentioning

of my involvement,

which i don`t remember

with this heart of mine!

;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;

Só devido, e apenas por isso,

vou inventando, sonhando

aquando o meu sumiço...

Em tantas e férteis inspirações.

Que me dão mil razões

de tamanha felicidade, assim voando, voando!

--------------------------------------------------------------

Merely due, and only that is why,

i inventing, dreaming

when my vanishing...

In so many and fertile inspirations.

That give me a thousand reasons

of such happiness, so flying, flying!

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Só me dei conta, quando sem querer, sem dar por isso...

Cairam no meu teclado, duas formosas lágrimas,

transparentes, quentes e frias, eram minhas!

É o meu coração tão omisso,

que foge destas linhas

e confessa ao meu teclado suas lástimas!

............................................................................................

Only i became aware, when not wanting, without realizing it...

Have fallen on my keyboard, two beautiful tears,

transparent, hot and cold, were mine!

Is my heart so silent,

who runs away this lines

and confesses to my keyboard their pities!

*******************************************************************

  Rosamar  Freedom   

   

 

   

publicado por lybelinha às 01:59

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Se pudesse chegar - If it...

. Indefinitivas palavras - ...

. Experiências na vagueza d...

. Os dias de hoje - Nowaday...

. Mundo universal - Univers...

. Com a sombra da tristeza ...

. Na poesia, como na música...

. Na poesia, como na música...

. O fulgor da audiência ( A...

. Rumo contra a maré - A in...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds