Sábado, 20 de Abril de 2013

Sincerely, what i find in you -a silent secret

The most secret inspiration, who says, i don`t know...

I tell you, yes i tell you, it`s because of that:

A well kept secret, not to tell anyone, don`t forget!

But i really find in you, this something now.

A different feeling that make me feel a better mood of ever!

 

How to slow, boom, boom, like a heart beating in silk...

I try stop to feel it, i try stop to feel it,

but i`m not succeeding, and always missing!

And now i`m crying for that "don`know what"...

Sincerely i call it a strong drug and i `m addicted!

I say to my pen, in a middle of a dream, strangely i`m not asleep.

 

It`s just a begin of a little touch in a hot flame,

a flavour of special unknown sympathy.

A certain feel, a will to push it ahead your canceled dream train!

If it`s not impossible to join moon and sun in dawn

Nothing more is impossible on floor and stone!


Rosamar  Freedom      

publicado por lybelinha às 03:54

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 16 de Abril de 2013

Se as árvores da cidade não se misturassem (com o que sinto)

Soltei o pensamento, só para saber, só para saber...

Se me falava de ti, ou do teu sorriso!

Soltei-o a medo, sempre na dúvida e sem me perder

na lembrança de ti, do teu olhar silencioso...

Que me falava de tudo o que se extinguiu pelas palavras.


Se ao olhar as árvores da cidade , elas me falassem de ti uma vez.

Mas não, só o silêncio, e um apelo à meditção  

Tornei a soltar o pensamento, só para dar vez ao instante 

que reclamava algum sinal que desse preparação,

para este diálogo mútuo entre mim e o meu sentimento mais preponderante!


Soltei o pensamento, apenas pelo mais breve momento

Toquei-lhe levemente, num dia de sol ameno.

E sempre que estendia o meu olhar curioso pela cidade

as árvores lá estavam misturadas com a pressa e o medo!

Os seus troncos imponentes, verticais e fortes como a amizade.


Mas insisti nessa luz diferente de libertar o que sinto,

antes de olhar o bilhete de identidade do vazio do lamento

que era a cidade misturada com as árvores e as folhas ao vento...

Tentei fugir ao costume do teu olhar, para saber o segredo do que vou sentindo.

Sem conseguir, tinha certezas, não desistia de dar letras a tão ambíguo sentimento


Se até o azul do imenso céu era novo para mim,

se até já distinguia o ruído do som melodioso,

se já então sentia a coragem de saber o que era estranho e perverso!

Não poderia ter a coragem de encontrar o meu sentir precioso.

Como a força que brota da Primavera, ao cantá-la em verso expresso!


Elas, as árvores tornam o espaço caótico, de preexistência

Em uma metáfora do princípio do paraíso!

A cidade cresceu sem pedir licença, nem escrever aviso.

Mas elas foram mudando de folha e florescendo perante a sua fria indiferença!

Rosamar  Freedom                 

publicado por lybelinha às 11:42

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Abril de 2013

Ninguém acredita, talvez ( na beleza e perfeição humana )

Só saberei que vivo aqui, neste mundo nosso

quando souber que ninguém acredita nisso,

nisso de teres beleza e perfeição dentro, isso

que não é algo credível e verdadeiro,

o facil é acreditar em tudo o que é teu derradeiro!

 

O belo traço, o barro bom que esculpe a alma,

não é nada desta metade para baixo,

é apenas o impossível, da metade para cima...

O lugar dos anjos, o céu, o sonho que fascina!

Onde a imaginação se esconde de modo cabisbaixo.

 

Não a enfrentamos, a ditosa perfeição!

Que vos enjoa e vos adormece no tempo.

Arrancar o mal e a imperfeição

que faz esquecer a falta de coragem no instante incerto!

Para sempre escolher e esconder a culpa de sua renegação.

 

Não poderei partir sem apresentar a sua prova real:

Que existe a sério como o sol da Primavera,

como a luz clara desta ou doutra manhã!

E que se materializa pela minha vontade que não espera,

pela minha descrição que a transfigura em poema etéreo e divinal!

 

Se ficou aquele espaço contido,

que faz a continuidade da vida

que será o pleno sentido eterno do que não sei,

é por isso que se é poeta de forma devida

é assim que construo em liberdade da imaginação requerida!

 

O silêncio é amante da beleza a que assiste o olhar,

pois esta só se reproduz em devota atenção dos seus fragmentos,

como o artista que a tenta transpor(sem nunca conseguir)

e desenhá-la em suas telas pelos seus ténues ou tempestivos traços...

E em sua interpretação insinua um mundo que existe em se recriar.

 

         Perseguindo um ideal de perfeição ( que nos envergonha )

Em sua dupla existência, é que o escutamos e damos por ele:

Em sua mimesis que deixou de ser original

possibilita a sua continuação que não é atroz, nem banal(reproduz o pensamento)

É devir constante que se movimenta, que nasce e renasce, para que se revele:

é familiar, como a junção do solo e do céu, sentido que urge para mim!

 

Trágico é o destino que se apodera das vontades alheias de si próprias;

É pois ao recriar o que existe que me imponho ao destino!

A diferença é imposta pelo acto de pensar diante do abismo,

que não aceito, que enjeito, como um mal inesperado,não revelado. 


Rosamar  Freedom        

 

     

publicado por lybelinha às 12:40

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Abril de 2013

Todas as palavras criam sensibilidade poética

Um dos conceitos maravilhosos,

que dá continuidade diversa

à criação de um mundo apartir do silêncio:

É a escolha das palavras em vazios numerosos,

de deliberados sentidos a traduzir mistérios sem pressa!

 

Em seu inicio de expressão pura,

tocam a essência do nascimento

a origem da vida em sua puridade,

abrindo o modo e o caminho de linha futura.

Designando a diferênça clara do tempo!

 

Antes de comporem um poema eloquente

Detém toda e a maior e mais alta liberdade...

Enquanto se escondem e se preparam

Envolvem-me em seu poder de recriação premente.

Surgindo na força criativa que as tornam "divindade"!

 

Serão sempre o alicerce mais perene,

o que motivou a evolução da vida,

o que deu lugar à comunicação e ao entendimento!

São o princípio inato de expressão de todo o pensamento.

Todas as palavras são iniciadoras do sonho e construtoras do mundo!

 

Descobrem e implicam-me na beleza que assistem...

Recriando assim a minha sensibilidade poética.

Aproximam-me na distância em divina simetria!

Dando-me a medida justa da utopia,

que reclama a poesia ao se libertar do seu segredo hermético.

Rosamar  freedom

 

publicado por lybelinha às 02:35

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Se pudesse chegar - If it...

. Indefinitivas palavras - ...

. Experiências na vagueza d...

. Os dias de hoje - Nowaday...

. Mundo universal - Univers...

. Com a sombra da tristeza ...

. Na poesia, como na música...

. Na poesia, como na música...

. O fulgor da audiência ( A...

. Rumo contra a maré - A in...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds