Terça-feira, 22 de Janeiro de 2013

O Amor, na lembrança

Esquecida nos dias tristes e vazios...

Encantada sempre nesta sublime recordação!

Que me curava a dor e enxugava o pranto

Que me sussurava baixinho ao meu coração

Quimeras e ilusões de um amor tardio.

 

Calada pelas tardes sem sol, sempre a lembrança...

Que me enchia o peito de calor e alegria

Como se o silêncio que antes era triste e quieto,

se tornasse em som volumptuoso e disperto!

Nessa emoção gentia e superior que trazia a bonança.

 

De familiar e construtivo sentimento instrui a minha imaginação.

De ténue e frágil fragmento evoluiu e cresceu, imenso!

E encheu todo o vazio do meu pobre coração,

ensinando-o a sonhar dum claro amor aceso

Que iluminava os dias, as noites e a esperança.


 

Love in my recollection

 

Forgotten in the empty and sad days...

Always delighted with a sublime memory!

That heal me the pain and dry my cry.

That wisper me very sweet to my heart...

Chimeras and ilusions of a latest love!

 

Silent in the in the afternoons without sun, always the memento... 

That fill my breast with joy and warm!

Like if the silence who was before quit and sad,

became in a voluptuous sound and awake sound!

In that gentile and higher emotion that brought the peace.

 

I teach my imagination with that positive and familiary feeling.

From tenuous and fragile fragment grow up, so much, immense!

And fill up all the empty space of my poor heart.

Teach it to dream with a lighted white love

Who gave light for the days, nights and feed my hope!

 

Rosamar  Freedom 

 

 

  

 

publicado por lybelinha às 12:59

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2013

Goodbye magic blue moon

From the dark sky, at night

You looked between the shadows.

And claim it, claim it to be by my side!

 

You sing me a sweet song, dear moon,

talking about fantasy and prison,

about your dreams of freedom...

 

And i told you, dear moon, i`m your endless companion!

Come with me, i enjoy to share your dream.

Take my hand and we climb it toghether this emotion.

 

You sing me a song from the dark clouds...

Told me stories of colored dreams at magic night!

 

How you enjoy to spy lovers escapes,

and run with them in the morning late!

 

I sing your song in your magic beat.

I love you, yes i love you so...

You rather be like me, possessive and jealous,

but passionate and so lonely, so...   

 

Goodbye, goodbye, magic blue moon!

Goodbye, goodbye, magic blue moon!

 

Rosamar  Freedom   

publicado por lybelinha às 20:59

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2013

A grande ilusão

Poderia então estranhar

Todos os escritos em letras,

por questão de análise talvez...

Que sempre só estive,  a sonhar!

Mas não, mais alguém esteve de quando em vez.

 

Entre linhas e palavras em português,

o deserto percorrido sem um destino,

em implicito caro chamamento

de um longo momento

a percorrer o que de mim entendia num desatino!

 

Enquanto entretinha os meus medos...

Em transitórios devaneios ilimitados

Dei por meu coração só a dizer em modos calados.

Que estava cansado da solidão inspirativa da luz do dia cedo!

 

Por mais que o mistério da vida me inquietasse...

As entrelinhas das ilusões percorriam a geito

um modo, uma maneira, que clamava do meu peito,

como se num jogo de simetria, reclamasse o meu "eu" perfeito.

 

Extinguidas as certezas, apenas liberdade

e muitas estradas, caminhos, casualidade,

que me desvendavam os pensamentos,

que nomearam em alguém um espaço vazio de verdade!

 

 Para um entendimento dos poetas,

não há uma chave para decifrar.

Apenas uma busca incessante e incerta,

que procura na simbologia em alerta,

uma porta de ligação entre ser e sentir devagar.

 

Por não me apoiar em definições impossíveis .

Volto de quando em vez a um paradoxo

Sempre por descobrir nesta divagação ordenada,

numa longa ventura da alma a tentar muros intransponíveis

que se erguem e desfazem em todas as madrugadas!

 

Poetizar não seria só e tanto que é!

Mas seria tão pouco perder o rumo.

Era muito mais que uma voz perdida.

Seria também uma aprendizagem do ser e do mundo

Seria uma partida e um regresso a todos os mistérios da vida.

 

Musas, já foram caras a todos os poetas!

Mas quem inspiraria as poetisas?

Os arquétipos e os valores humanos, os amores chegariam?

Numa"lacuna gramatical" ou histórica, ou egoistas estéticas...

A igual fonte de inspiração nomiei "Demiurgo" para poetisas imprecisas!

 

Rosamar   Freedom    

    

 

publicado por lybelinha às 12:35

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Se pudesse chegar - If it...

. Indefinitivas palavras - ...

. Experiências na vagueza d...

. Os dias de hoje - Nowaday...

. Mundo universal - Univers...

. Com a sombra da tristeza ...

. Na poesia, como na música...

. Na poesia, como na música...

. O fulgor da audiência ( A...

. Rumo contra a maré - A in...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds