Sexta-feira, 24 de Agosto de 2012

Experimentação de diferentes formas de abordar a Poesia

De estrofe em estrofe, ideias discorrem

como muitas gotas de água a correr

em sua pressa de percorrer caminho.

Numa linpidez ideal emergem, ocorrem...

Sem pressa decoro seu ritmo para aprender

repetindo seus versos em torno de seu destino!

 

Torno os versos meus, para lhes ganhar entendimento.

Repito-os numa quase melodia que embala!

São minha pertença, numa extrema cumplicidade

cantam a vida, são esmero e acuidade.

Tornam-se hino da liberdade em requerido memento

toco sua imaginação em seu medo que se cala!

 

Coragem em procura da fala de suas letras,

que emprestam ideias que torno meus ideais.

Uma cartilha do amor em exaltação do pensamento!

Que transforma em verdades a poética do artificio e fingimento

numa procura que transcende as linhas desertas das quimeras!

E dá sopro de vida às verdades não banais!

 

Eu posso dar verdadeiro ensejo aos meus versos,

que ensinam que o amor dá consistência à vida,

que é como o sol, ilumina o universo

que é como o sol, descansa e dormita

que acorda para aquecer e fazer crescer

que dá esperança adormece e aparece no novo dia por amanhecer!

 

Nesta poética que inventa verdades minhas,

desmente as mentiras das ilusões encenadas

em que transformo artificios em verdades supremas

Desenhando as emoções em rimas para poemas

Em que repito todas as letras certas e alinhadas,

que me ensinam a paz do bem em todas as linhas!

 

A poesia se consome em deturpação.

Se embeleza em impossíveis de falsos mundos.

Inventa definições e planetas novos.

Cria novos nomes de árvores e dá lugar a um outro cosmos...

Aumenta a estrela do sol e faz eclipsar a lua numa alucinação!

Concebe novas leis da natureza em remotos mares profundos.

 

A poesia sem ser devaneio ,

sem ser distorção do tempo...

Se ela pode ser o tudo e o nada,

quero que seja orientação no vento,

Verdade e construção no floreio

estigma que leva o tempo perdido e revela a madrugada!

 

Nesta folha branca por se inventar

acredito em muitos modos de inspiração poética :

No insignificante, no natural, no mistério do insólito,

na beleza da dignidade humana por revelar,

na obscuridade que esconde a diversidade da vida ecléctica,

na sensibilidade talentosa que me entorpece na perfeição do mito!

Rosamar  Freedom    

publicado por lybelinha às 12:47

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Agosto de 2012

Gravitação da Lua - Em noite de Lua cheia-

Se a lua tem órbita elíptica em volta da terra,

que emite sinais translúcidos celestiais.

Incorpora a magia do ser em libertação!

Em cosmografia espacial de gravitacional atracção

pela terra , sol  e restantes planetas que se celebra

em união  entre as marés e a lua que transforma gotas em cristais!

 

De nuvens brancas opacas de veludo ensombradas,

na noite escura clara iluminada

pela luz da lua cheia sincronizada

com todo o céu perto e tão longínquo!

Em novelos azulados na reflexão de um pensamento mágico.

Insinuada noite de enunciações reiteradas.

 

Astrolábio antigo criador de cartas futuras.

Um mundo desconhecido acelera suas descobertas

de imperativa imaginação escalada por medida divina celestial!

Superior em seus sublimes pensamentos de medições geométricas.

Em solitária busca do conhecimento em fontes obscuras.

Crivado em direcções que seguem a alma em irradiante sinal!

 

A face visível da lua, que avisto na óptica de Ptolemeu,

mesmo do outro lado da rua

Interroga-me na noite luminosa sideral

sobre um mapa tipográfico um tanto acidental,

que se desenha em forçosa reflexão da volta da lua

em movimento aparente, de revolução sideral , ao mesmo lugar do céu!

 

Não sei se me liberto então

desta tipografia da mente sideral,

que goteja inspiração em noite de lua favorável

trilhando caminhos de baixo ou alto astral!

Numa roda estonteante que se torna indelével,

inesquecível, indestrutível, mas com invisíveis amarras de prisão!

 

Rosamar  Freedom                                                                                                                                            

publicado por lybelinha às 19:13

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Se pudesse chegar - If it...

. Indefinitivas palavras - ...

. Experiências na vagueza d...

. Os dias de hoje - Nowaday...

. Mundo universal - Univers...

. Com a sombra da tristeza ...

. Na poesia, como na música...

. Na poesia, como na música...

. O fulgor da audiência ( A...

. Rumo contra a maré - A in...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds