Quarta-feira, 25 de Julho de 2012

O meu olhar na paisagem ( substância visível e consistente )

                               Ténue intercepção da realidade                       

 

Na branca e plástica janela extinguidas, deslavadas 

 e marcantes gotas de água antevêem seu rasto

que em dias de chuva se silenciam no tempo já gasto

equilibrando os dias nas noites presas de luar em brilho cinzento!

Num ritmo que se encanta numa tarde esboçada em linhas marcadas,

que se sossegam na fuga imprevista do sopro do vento!

                                                                                                         

Nesse entendimento perfeito, secreto e silencioso

observo a presença das casas, janelas, telhados e chaminés

em mútuo e cordial espaço que se eleva da castanha terra

até ao céu azul da estratosfera tocando os ramos das árvores de viés!

Enquanto o sol desce o horizonte claro e luminoso,

numa séria convenção entre mistério e beleza da natureza que se revela!

                                                                                                           

Cai a noite, eis a visão mística da realidade...

Na outra metade do ciclo inteiro do tempo imparável,

que se materializa nas sombras da escuridão que se movimentam...

A pulsação do coração da terra aumenta intensidade,

de forma a coexistir em outro ritmo sombrio e insondável!

Todo o firmamento a se misturar com os seres atraídos à gravidade do chão!

                                                                                                                               

Uma noite quieta de mil silêncios e ruídos...

Destituída de luz solar, a aragem é leve 

e insinua uma frescura suave e macia como lustro

como se preparasse todos os seus sonhos perdidos 

numa outra inspiração sob o olhar da lua, intenso e breve.

Em seu quarto crescente, a lua espreita sobre telhas de casas bege sujo!

 

                                   Rosamar  Freedom                                                                                       

publicado por lybelinha às 18:42

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Julho de 2012

Exaltação Poética

                                        Os quatro degraus da exaltação poética: a inspiração, o sonho, o delirio, o êxtase...  tudo isso acompanhado de palavras escritas.

                                                                                  M.M.Soriano

 

 

Gosto de comparar poesias e géneros

que dessas revisitações advêm os encontros,

de pequenas exaltações únicas e breves

nesse tortuoso trabalho poético de dias solitários e longos!

Tocam-se indelével as almas em instantes ternos.

 

Não existe poesia sem exaltação, em noite fria ou dia de Verão!

Por mais erma e distante se cale a vida,

as letras de poesia desenham oasis

que magnificam a projecção tão desmedida,

de todo o encantamento que enleva as quimeras do coração!

 

No cume de sentimento, emoções e alegria

Exalto ao máximo o meu sentir momentâneo,

ligando o meu pensamento ao que seja o extremo de felicidade.

Mas logo se dilui, a sua magia é espontânea.

Tão forte, quanto breve e logo feita memória!

 

Fiel à exaltação poética que me deslumbra,

descubro a teia das principais linhas poéticas,

que se deslocam em movimentos aparentes de solstício!

Irrepetíveis causam motivos ténues na penumbra ,

que antecede a palavra de inspiração frenética!

 

Rosamar  Freedom  

publicado por lybelinha às 03:27

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 10 de Julho de 2012

A crisma das palavras ( a construir o mundo com amor )

Elas, as palavras que se educam de sentidos.

que se enchem de valor e todo o bem,

que solvem a incompreensão e a tristeza

que dão consolo e claridade na incerteza

São sempre o tudo, o nada, o mal, o bem dos perdidos!

 

Elas, as palavras conduzem a liberdade,

que inflama na chama da coragem,

que ensina e semeia o milagre da vontade

que sustenta e traduz a obra do homem!

Nelas vivem toda a crisma que é guardiã do sonho e da saudade.

 

Não se fadigam, não se esgotam, imperativas...

Alcançam em mais vasto e rico empenho

interlúdio de vida em todo o seu esplendor!

Enriquecem a alma e traduzem o seu segredo.

São as mais fieis companheiras a construir o mundo com amor.

 

Vejo o mundo com as palavras que ordeno,

nestas linhas imaginárias e geométricas.

São minha séria manipulação em sua deriva...

Encerram todos os medos e esperanças.

Mas tão infinitas me doam novos caminhos e tardes despertas!

 

São elas, as palavras, a mais vasta criação!

A memória da fala, da linguagem humana.

Alicerces de mudança, de progresso, de futuro.

Identidades várias guardam e salvam seu rumo.

Vivem em sua renovação que é impressa no poder de sua devoção!    

 

Rosamar  Freedom                         

                                         

                                   

publicado por lybelinha às 18:22

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Música, fugidio, o pensam...

. Um poema de tristeza (à p...

. Uma certeza (das minhas) ...

. Guardado na memória (estr...

. A tarde do teu olhar (na ...

. A incerteza dos meus dese...

. Tenho tempo (a vida em im...

. Rimas universais (na busc...

. In love (with all my devo...

. A felicidade do acaso (do...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds