Quarta-feira, 26 de Outubro de 2011

O computador e o papel e caneta ( veículos de exposição de palavras )

Tenho mil sonhos perdidos em muitos tempos

Revivo-os, renascidos em anseios e desejos.

Despertos de novo, acendem-me a alegria!

Vou desenhando as letras em pausas e movimentos.

Com determinantes e verbos e muitos ensejos...

Em singularidade as empurro do papel para o computador e para o sol do dia.

 

De dentro do papel, as letras seduzem a vontade,

que é a razão destemida que sente uma coragem...

Nesta peculiar gramática que desenha palavras minhas,

que se apoiam em momentos nascidos em certa originalidade

que cruzam  caminhos tão sinuosos criados para seguir em viagem.

E dar a volta ao mundo do pensamento em desertas linhas!

 

Não noto já como se desperta deste papel escrito,

ou como se deixa de tocar as teclas de computador

neste ritmo que só respira e vive em liberdade

que se transforma em dinâmica, que mistura realidade e mito!

Que me faz viver e pensar num dia com mais valor.

Numa linha imaginária infinita que toca o âmago do pensamento e da verdade.

 

De um a outro, papel e computador, em sua criativa forma diversa,

me empenho e procuro, como a luz do dia que se anseia...

E nesta determinação que quebra a indiferênça calada

se espandem infinitos vocábulos de sonho e força imensa!

A fronteira entre o "trigo" e o "joio"  não tem silêncio e palavras meias!

A justa medida de tudo tem todas as letras que compõem a palavra.

 

Rosamar  Freedom

 

 

publicado por lybelinha às 10:55

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 15 de Outubro de 2011

Alma caprichosa - Invenção de um mundo imenso ou Essência-

Efémera ou eterna, terrena ou divina

Essa alma que decalco em breves encontros...

Rima com a liberdade e a solidão!

E revela o que escondo no meu coração.

Entre conflitos e desatinos, ela me ensina.

 

Num vislumbre ténue e abstracto,

procura com incerto num deserto

O tempo esquecido da memória que é matéria.

Enquanto me reflecte em letras que desato...

Materializadas em pensamentos de forma séria.

 

Só o espaço e o tempo desaguam em lacunas,

Só o desconcerto e o cansaço a sentem.

Eis o grande momento renascido na espera,

um mundo que se mostra inquieto na quimera

mas destruidor e inábil para certas almas puras!

 

Não me enjeito em versos sem sentido.

Alma caprichosa estende-se na tenaz direcção

timbrada de um ideal qualquer impossível...

Original e diverso, como doença febril...

Que se alimenta de leveza e absorção!

 

Escolhe caprichosamente em escala difusa,

como um deslumbre da sua implicíta essência

Que é o equilíbrio renascido na sombra e no silêncio!

Numa linha que traça o infinito, sem hesitação ou recusa.

Inventa uma intensa luz de palavras que formam um mundo imenso!

 

Rosamar  Freedom    

publicado por lybelinha às 10:35

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Outubro de 2011

Auto biografia poético-literária

    Por ser o mote do meu blog, e que só eu mesma o poderia escrever, tentarei falar um pouco sobre a sua raiz e a sua consistência.

     Uma auto biografia poético - literária para mim é como um bilhete de identidade da alma que ao longo da vida se mantém obscura e esquecida, quase vivendo num anonimato. Faz parte intrínseca do meu ser, mas jaz silenciosa, caprichosamente em seu mundo fechado e misterioso. Enquanto a ignorância da sua existência nada a fará manifestar-se, e quase sempre o faz devido a acontecimentos dolorosos, que acontencem inesperadamente nas nossas vidas.Quando se lêem os ditames de grandes pensadores, fica-se com a quase certeza de que a alma só se conhece ou desabrocha com o sofrimento atroz. É um pouco verdade, mas não o é totalmente, não concordo já que só o sofrimento faz com que tenhamos uma vontade de ter um encontro com a alma, pois encontrei essa necessidade devido a um sentimento de incompletude. O meu ser se sente incompleto, como uma elíptica que se forma na superficie da água sempre que se atira para lá um pedrinha ou outro objecto. No mundo imenso e desconhecido o meu ser se sente um pouco mais preenchido, quando se entende com a sua alma!

     Devido a isso uma auto biografia poético - literária, só poderá ser uma longa aventura em que a alma se descobre a si própria sem medo e com uma coragem real e verdadeira. Também não se pode pensar que esse é um caminho traçado e pensado, com se fosse uma fotocópia do ser, em que cada superfície se encaixa de forma segura e definitiva.  É um longo caminho de difícil acesso e muito ambíguo, mas não é impossível, nem é considerado uma quimera, é possível, mas muito trabalhoso e árduo. Mas tudo isto deixa de existir ou ter qualquer importância se não considerarmos uma ponte de interligação com os outros, mas não de forma superficial, não, de maneira fraterna, um modo de chegar aos outros.                    Rosamar  Freedom

publicado por lybelinha às 10:25

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Música, fugidio, o pensam...

. Um poema de tristeza (à p...

. Uma certeza (das minhas) ...

. Guardado na memória (estr...

. A tarde do teu olhar (na ...

. A incerteza dos meus dese...

. Tenho tempo (a vida em im...

. Rimas universais (na busc...

. In love (with all my devo...

. A felicidade do acaso (do...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds