Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011

Do fundo do que não sei - renasce o sonho

 Como hei-de saber o que é escondido...

 Como hei-de saber o que é obscuro?

 Não me satisfaço e crio minha esperança!

 Edifico como quem segreda o segredo.

 Que não quer deixar de ser desconhecido!

 

 É por entre seus indícios e sinais improváveis

 que me esgoto em dúvidas presas...

 Contornando o indelével círculo,

 encanto-me em curiosidades imensas!

 transpondo o impossível e suas miragens.

 

Liberto-me por segundos recriando ...

O que eu idealizei no que sonhei!

Perco-me da ilusão tão segura,

que tão bem criei e espreito o fundo...

e na minha mente e alma age a vontade pura!

 

Engrandeci o meu ser, enquanto me debatia

nesta longa viagem da busca e do saber.

Que me inquieta a alma ao adormecer 

que lhe traz constante e tenaz vigília 

que me cala o medo e me refaz o sonho! 

 

Rosamar  Freedom

 

 

                            

publicado por lybelinha às 19:36

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Setembro de 2011

O acesso restrito à verdade I

" O que se deveria fazer, o que se poderia fazer em contraste com aquilo que se faz "

 

    Um dia alguém me disse que quem muito procura a verdade, nunca conseguirá ser feliz, não a verdade restrita a um qualquer assunto, mas aquela que aprofunda o entendimento do mundo e de tudo aquilo que faz parte dele.O conhecimento elevado ao sentido da ambiguidade do insólito que me leva de um saber óbvio e mundano para um outro que sai da obscuridade e me dá a ilusão que a incompletude do meu ser se encontra num ponto de desejado equilíbrio e estabilidade.Que advém da perda de ignorância e de um ganho de uma outra maneira de ver e compreender seja o que for!

    Descobri, no meu ponto de vista de autodidacta, que a disciplina de filosofia é das poucas que consegue albergar todas as áreas do conhecimento de uma forma mais simplificada, pois tenta uma aproximação ao entendimento através da sua forma de abordagem em que se liberta de tabus e clichês.Com isso não se poderá assegurar um conhecimento estável e seguro, antes pelo contrário, abana as convenções de todos os saberes. E quem é que é capaz de discordar de tantas e tantas vezes que seria necessário pôr em causa ou simplesmente em discussão, saberes ultrapassados e cristalizados por um conformismo disfarçado, de modos de pensar que já não fazem funcionar nada, nem correspondem às necessidades gerais e colectivas.

    A filosofia não tem uma bússula para indicar caminhos, mas obriga a pensar de um modo diferente do habitual, dando assim uma oportunidade de escolha de outros caminhos que abrem novos horizontes. Algo que se torna utilitariamente abrangente a todas as diferentes áreas da vida de uma pessoa, transpondo também essa dinâmica para vida pessoal de cada um.      

publicado por lybelinha às 17:54

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Se pudesse chegar - If it...

. Indefinitivas palavras - ...

. Experiências na vagueza d...

. Os dias de hoje - Nowaday...

. Mundo universal - Univers...

. Com a sombra da tristeza ...

. Na poesia, como na música...

. Na poesia, como na música...

. O fulgor da audiência ( A...

. Rumo contra a maré - A in...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds