Quarta-feira, 18 de Maio de 2011

Objectivo Poético maior ( ideias agradáveis )

Decomposição da realidade - A perspectiva poética - As ideias que imprimo às coisas

 

Clamor pela grandeza humana

Abulição da opressão e da tirania

Dar voz ao sentimento caro!

Transformar o mal ou aniquilá-lo.

Destruir e reconstruir em poesia.

É criar estratégias de coragem em alma plana...

 

Dar felicidade, valorizar a verdade

Sem prévio ensino, saber o destino,

das palavras que guiam a alma em sua direcção...

Aprofundar todos os ensejos com filiação 

ao ideal de procura do bem com morada esquecida no divino!

Cravar no sentir o prazer da sensibilidade!

 

Poesia, a arte dos direitos da humanidade!

Tudo abarca para dar a voz aos justos.

Enredado no silêncio que tece comunicação, 

o dom poético utiliza sinais astutos,

com clivagem na linguagem do coração.

Ritmo que irriga na mente a raridade da liberdade

 

As ideias agradáveis que imprimo às coisas,

não preconizam um caminho de alienação.

Mas uma procura de aperfeiçoamento...

Uma simulação que procura a realização

que se atesta num constante melhoramento,

que vou construindo em alertas, que abandonam quimeras mortas.

 

Decompor a realidade poderá ser,

perder as ilusões que cegam o ser  

não para aniquilá-lo, mas para o transformar

em liberdade plena de movimento

de possível regeneração da razão em sentimento.

Para dar lugar a um futuro a sério de crescer e amar!

 

Na pequenez humana, sou consciente.

Nas quimeras sublimes, sou distante e sonhadora.

Construo ideais em sigilosa solidão criativa!

Reflicto sobre a natureza de forma contemplativa!

Se desço à triste condição humana que me dá o limite,

não tenho a pretensão de parar, mas ser força criadora!

 

Rosamar  Freedom


   

   

publicado por lybelinha às 18:57

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Maio de 2011

O tempo poético - originalidade rima com liberdade

    Só se concebe poesia em traços ilimitados, não obstante no meu caso, não prescidir de um fio inspirador e de reflexão pelo o caminho que procura obter um possível entendimento com a alma humana.

    Partindo de um binómio contrário e ao mesmo tempo dependente um do outro ( os contrários completam-se ), para cada um se realizar têm de exercer uma inter-dependência um sobre  outro. Falo do binómio imaginação/realidade. Apartir do qual todo o trabalho poético se desenvolve, não sem requerer uma suposta volatilidade que é a caracteristica da improvisação dentro de todas as incertezas, das quais todos somos cercados! Viver não será estar em contacto com o factor surpresa todos os minutos do nosso dia, mas as probalidades dos acontecimentos incertos e inesperados fazem parte da vida dos seres vivos.

    É nesse espaço de procura da compreensão de um vazio angustiante de indeterminações, de incertezas, de angustias que a poesia age de forma voluntariosa, dando assim um pouco de conforto e felicidade, como se fosse uma tentativa de amparar a alma que se encontra à beira do abismo, quer seja do medo, quer seja da dúvida existencial, em que não se consegue adquirir um pensamento reconfortante e que sossegue a angustiante dúvida do que por exemplo, nos trará o futuro ( quer seja próximo ou distante ).

    A poesia é como se fosse um chamamento para um local confortável em que se sente uma emergente compaixão com a alma, impedindo-a de cair no imenso mergulho do terrivel  e inócuo vazio, ameaçador e sempre querendo dizimar uma réstia de esperança que nos resta.

    Por se dar à existência nesse estádio de volatilidade humana, aonde a angustia da incerteza arrasa e limita é que actua fazendo precisamente o contrário, criando um mundo em que se supõe existir uma saída de salvação!               

publicado por lybelinha às 18:15

link do post | comentar | favorito
|

Um invólucro de ritmo ( jogo de acasos ) ou milagre de instantes

Ritmo a que anseio por escrever

Um desses caprichos de meus elementos

Elementos de escrita insinuantes

Irrompendo na coragem de nascer!

Na vontade de retiros iluminantes.

 

Ordenação imbuída em segredos...

Sem ser dada a saturação e medos.

Segue sua rítmica silenciosa,

revolucionando todas as trivialidades

trazendo uma limpidez criteriosa!

 

Em seus critérios únicos reflecte

sinuosamente o seu jogo transparente

que se acalma em só seguir em frente!

Como só e trémula gota de água em seu retorno à nascente,

cumprido seu elíptico caminho tão diferente!

 

Neste espaço transitório de inspiração

Anciosa me dou ao sossego dos segundos,

Que me mostram a oscilação do tempo...

Que habita na transição que é um momento,

na brevidade da improvização de acasos!

Rosamar  Freedom 

 

publicado por lybelinha às 11:09

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 3 de Maio de 2011

O destino no papel ( o enigma do pensamento )

Onde procurar o que fomos neste destino?

Sem dados concretos, sem exaltação,

não se encontra muito no labirinto.

Em clausura de ideias e indecisão

mergulho no abstracto personalizado...

 

Procuro ter o meu trajecto, assim  

Mas nada no concreto que desenvolve

Me inicia na saída que tanto procuro de mim!

Só oiço por estas palavras que me consomem,

Um pequeno invisível toque que me envolve...

 

É familiar o sentir da tinta a discorrer...

Tão aconchegante em estado puro e delirante

Em que estes pensamentos se inflamam a distorcer.

É uma luta tão viva e simltâneamente tão distante...

Em objectiva tentativa de aproximação me envolvo!

 

Não concebo maior realidade que esta!

Testemunhos de papel em imensa diversidade.

Tudo o que se constrói de vertente em vertente...

O óbvio em contrário com o insólito clarividente!

Em todo a variante de papel e em sua tamanha aresta.

 

Só queria um pouco de reflexão, nesta comunhão.

A paisagística literária fortuita ou infortuita...

Que deslinda a grandeza da alma humana!

A História secular cronometrada na folha infinita.

A aparição de letras pensadas em abstracta precisão!

 

Será seguro este destino acreditado e tão sumido?

Porque tão dentro do que sou e penso.

Poderei libertá-lo para o fortalecer de esperança?

Ou será segredo na verdade da arte que se traça...

Eu sou isto e muito mais, que é letra em papel escondido!  

Rosamar   Freedom  

 


publicado por lybelinha às 10:52

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Se pudesse chegar - If it...

. Indefinitivas palavras - ...

. Experiências na vagueza d...

. Os dias de hoje - Nowaday...

. Mundo universal - Univers...

. Com a sombra da tristeza ...

. Na poesia, como na música...

. Na poesia, como na música...

. O fulgor da audiência ( A...

. Rumo contra a maré - A in...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds