Terça-feira, 23 de Novembro de 2010

Civilização ocidental - compreensão de uma pequena parte - excerto filosófico

Ideias, razão e método ( respectivamente; Platão, Aristoteles e Décartes ). O Deus de Platão é a ideia impessoal do Bem; O Deus de Aristoteles é um pensamento que se pensa. Para solicitar um pensamento que pensa mais do que pensa, o infinito não pode encarnar num " Desejável ", não pode como infinito, enclausurar-se num fim. Décartes preocupou-se desde muito cedo em formular um método, que permitisse orientar a razão de forma a atingir o conhecimento verdadeiro.

 

Excerto do historial do pensamento aristotélico:  

 

   No que respeita à ética e à politica, Aristoteles ( Filósofo nascido em Estagina, na Macedónia, em 384 a.c. foi descípulo de Platão e desenvolveu um sistema filosófico que reagia contra o idealismo platónico. Nos dominios da metafisica e da lógica, ainda hoje se faz sentir a sua influência ).

   Na esfera subjectiva, o individuo deve agir livre e responsavelmente, em conformidade com a razão, na busca de uma atitude ética que só se adquire pela a aprendizagem, procurando evitar os extremos condenáveis, na busca de uma situação de equilibrio que garanta não só o bem estar social como a ordem social. Assim propõe que o individuo se deixe guiar pelo primado da coragem ( evitando a cobardia e a temeridade ), da moderação ( oposta quer à devassidão, quer à apatia ) e da generosidade ( afastando-se quer da avareza, seja da prodigalidade - esbanjamento ).

Esta procura do meio termo, se acompanhada por uma preocupação de justiça e amizade, permitirá o acesso ao soberano bem: O relacionamento fraternal entre homens livres, ou seja, a realização da essência do homem enquanto « animal politico » ( isto é social).

   No tocante à politica, procura não os princípios abstractos que deveriam modelar uma cidade utópica, mas esclarecer em que condições concretas pode o ser humano dar satisfação plena à sua essência social.               


René decartes - O inaugurador da época moderna da historia da filosofia, primeiro representante da corrente racionalista. Núcleo de pesquisa filosófica  . o problema do conhecimento.

Dualismo ontológico ( metafisica do ser )- do encontro da substancialidade do eu pensante deriva de Décartes que separa radicalmente substância espiritual e livre da substância material, mecanicamente determinada por Deus. " Eu penso, logo existo#.-    

 

 

publicado por lybelinha às 18:24

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Novembro de 2010

Verdade constatada ( o problema da alteridade )

Eu e a que desenha as letras

A outra que se ultrapassa, só, destemida 

Relação impossível e indeterminada

Em sua existência comprovada

semeio o meu alento e coragem devida

Defendendo a justa medida das quimeras!


No alto dos pensamentos, tento

E não chego ao seu cerne de puridade

Que me esconde e me desvenda

Que me carrega e me defende

Não da ilusão do ser abstracto da verdade

Mas da esperança de um qualquer entendimento

 

Calculo o risco que pode ser

Olhar-me assim seriamente por dentro

Mas num esquecimento qualquer

retomo de novo a memória de escrever

Em todas as faces em que me acendo

Esquecendo a cisão que me fez perder

 

Esta verdade que me afecta a dor

Reconhece-me em tudo o que faço

Mas querendo amenizá-la sem medo

Caminho de novo na luta e não cedo

Olhando-me, enfrentando as letras e o seu traço

Tornando perceptível o ser que persiste sempre melhor!  

 

Rosamar  Freedom

publicado por lybelinha às 11:38

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Novembro de 2010

O que poderei ser

Eu entregue ao que vou sendo...

Sem me perder ou dar-me perdida.

Sigo o rumo mais de imaginação

Timbrado pela plenitude da solidão,

Que me agarra todos ou quase todos os medos

Que me acalenta em cada segundo desta vida.

 

Não entregue à mão de um qual destino,

abrando e apresso-me em desiguais estados de alma...

Não sei se acredito neste destino tão sinuoso!

Que me embrenha em linguagem intimista feita em esboço.

Preponderante sempre na vontade que não desminto,

que me faz sentir, viver, amar, enquanto a tempestade se cala.

 

Retratos da vida, encenações agrestes e desiguais!

Me levam na forte corrente sem cais de chegada.

Inscrevem e desenham imagens que expresso

surgindo do silêncio que não é vazio, está imerso...

Não são tão casuais como outras demais,

têm um tal nexo, como uma casa toda iluminada.  

 

Rosamar  Freedom

publicado por lybelinha às 19:38

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Se pudesse chegar - If it...

. Indefinitivas palavras - ...

. Experiências na vagueza d...

. Os dias de hoje - Nowaday...

. Mundo universal - Univers...

. Com a sombra da tristeza ...

. Na poesia, como na música...

. Na poesia, como na música...

. O fulgor da audiência ( A...

. Rumo contra a maré - A in...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds