Terça-feira, 25 de Maio de 2010

A minha construção ( para além da ilusão ) - A liberdade.

Se a dor se fez calada no meu refúgio

Isso, mas, isso não sei se se entenderá

Não só na maior solidão eu construo,

também nas palavras dos outros a há

 

Também as letras e as palavras, sei

que são formas de encontros perfeitos.

Eu creio nesse telhado assolado pelos ventos,

que se define esconderijo dos sonhos sem lei.

 

Quando desejo passar o tempo, não escrevo.

Pois que o tempo de escrita de poesia é ausente...

Não se inscreve, nem no chão, nem no avesso!

Mas sim num pavimento intemporal, mas presente.

 

Existe na sua inexistência fenomenal...

E pode ser tudo, silêncio, madrugada, amor, direcção...

Vagueia, mas num tempo seguro e primordial.

E nessa construção me faz existir, para além da mentira e ilusão

 

Se o crescimento de tudo dependesse de conceitos e definições

já se sentiria o desavesso da juventude

Se a vida soubesse a finitude

A alegria da poesia seria apenas disparate e desilusões.

 

Pois que " poiéo " é em si transcendência

Que sendo sistemática e lúdica,

nasce e renasce na frugalidade válida e única!

Deixando ver e antever um mundo à transparência...

 

A poesia não tem essa interpretação fixa

Não é um meio para ideologias oportunistas.

não tira a liberdade, dá e consome-a

Se não fosse poesia, era liberdade, o nome nas suas folhas inscrito.     

 

#Poiéo ( verbo ) - fazer : colocar um pensamento na alma- possível definição de poema  

 

Rosamar  Freedom

publicado por lybelinha às 17:58

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Maio de 2010

A função dos poetas ou poetisas

Alguém porventura aprendeu qual função

teriam os mágicos das palavras  

Entre desacertos, acertos e sentimentos

Ligam os sonhos com as sombras

Abrem caminhos no deserto e na ilusão

 

Não têm uma missão, nem um propósito

Têm mil propósitos e imensas missões

Num cálculo desejado e empenhado 

Aliviam todas as dores e prisões

Nascem e renascem no insólito.

 

Descobrem mundos férteis e humanos

São incompreendidos e destruídos

Sim, sempre em defesa da humanidade!

Admiram-lhes a coragem dos sentidos

Em plena opacidade geral são perdoados.

 

São a dor do mundo em clara incompreensão

Desertam no medo de tão triste desacerto.

Acalentam a esperança de um dia a bonança

Ser real na composição de um outro mundo desperto

Em que tudo seria entendimento e iniciação.     

 

Rosamar  Freedom

publicado por lybelinha às 18:58

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Música, fugidio, o pensam...

. Um poema de tristeza (à p...

. Uma certeza (das minhas) ...

. Guardado na memória (estr...

. A tarde do teu olhar (na ...

. A incerteza dos meus dese...

. Tenho tempo (a vida em im...

. Rimas universais (na busc...

. In love (with all my devo...

. A felicidade do acaso (do...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds