Segunda-feira, 26 de Abril de 2010

O dia cai e as palavras...

     The day falls and the words...

 

De que serve decifrar o dom

Não se conhece a sua explicação

É celeste, acontecimento dos céus!

Feitura obscura, perfeita alusão

O nome do silêncio, num divino tom.

 

 

 

 

 

 

É, confesso-lhe, minha dedicação preciosa

Não vã onda ou mera indecisão

é a claridade do dia a perpassar

Sem pressa, num ritmo natural com precisão

Sim, é poético e preciso como a espiral de uma rosa

 

Escalada da rima em imaginação

Concordância carismática, não automática

Lição de encontros belos e longos

Determinação alienatória pragmática

Por ser conjuração da nascente da emoção

 

Jogo de palavras em ritmo próprio  

Angariador de sonhos variados

Milagre de encaixes libertados

Criação de pequenos mundos povoados

Dialecto único em espaço lúdico

 

É assim que a noite cai e o dia rompeu

Naturalmente, como os botões das palavras

Como o inicio de tudo o que respira

Em seu cerimonial num paraíso de consonâncias

Os versos, as rimas, a poesia, tudo floresceu...    

   

 

 Rosamar  Freedom

 

 

 

 

 

  

 

publicado por lybelinha às 01:54

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 17 de Abril de 2010

Alma não se programa, alimenta-se

Sem prévio rascunho determinado

Vou lado a lado

Eu em diálogo vivo com a minha alma

Palavras para traduzir o que ela cala.

 

Exigente e impaciente em seu alento

Detém em seu poder a vontade

Sente em esmero e qualidade

Tudo a construir-se em seu maior talento.

 

Vai fazendo suas preciosas escolhas

Em seu critério primordial e único

Detém o encanto do assombroso silêncio

Faz seu caminho em vales, montes e montanhas.

 

Encontra-se em sólido entendimento

Em seu ambiente de amor e construção

Só com o seu olhar em crescimento

Numa transmissão de dedicada devoção.

 

Nesse secreto diálogo intimidado

Eu e a minha alma que rasga a escuridão

Nesse continuar surgem letras de tradução

Em poesia que são poemas rimados.

 

Em desarmante e pensado destino

A alma alimenta-se dos seus desejos

Como rosa caprichosa em vaso divino

Clama o bem acalorado em expectativas e ensejos.  

 

Rosamar   Freedom 

publicado por lybelinha às 14:45

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 5 de Abril de 2010

No deserto da paisagem

Porque vejo tudo diferente

Procuro tão incessantemente

Sem vislumbres, só encanto

 

Declino toda a colina

Embrenho-me na sua ausência

E tento despertá-la com veemência

 

Nem as gotas de chuva a cair

Nem a neblina baça esbranquiçada

Me devolve a certeza de existir

 

Vagueio no espelho do tempo

Que está dentro da alma

E tacteio curiosa pelo vento

 

Sem nada que me faça pousar

Neste entardecer de sentimento

Edificado em contornos e deserto

 

Decidida a penetrar na paisagem

Inclui-a nos meus sonhos

Empedrado e cores ténues

 

Aproximei-me ao longe do meu olhar

E decifrei tudo o que se via

Os contornos misturavam-se sem a luz do dia

 

O cimo da serra entrou no céu

As duas linhas entrelaçaram

E com a luz da manhã adormeceram

 

Enternecida com a subida do sol

Imaginei o dia sem temor

De sombras claras em seu amor maior.

 

          Rosamar  Freedom

publicado por lybelinha às 16:26

link do post | comentar | favorito
|

Ritmo do verso e da vida

 Este verso é meu ritmo

Trauteio nessa rima de ilusão

O saber do sabor do coração

E entro com audácia no seu ciclo

 

Alegremente me acompanha a sós

sem se desgastar, nem esmorecer

Celebra o amor de rimar e ser

Em certa entoação de dós, rés e soles

 

Liberto a sinceridade do momento

cresço num versejar terno

E saúdo esse dom que é meu invento

Sem sair do seu tom desperto

 

Tudo se significa sem se dizer

Tudo se sensibiliza sem aviso

E cabe o mundo inteiro a crescer

Na vida que se enche de esperança e querer

 

Se queres versejar comigo

Ensina-me como tocas a tua canção

Que é teu ritmo enbevecido

E canto-a em teu verso que é a letra do coração

 

Enternecimento nesse teu sentimento

Que me ensina na expressão sincera

Como chilrear das aves na Primavera

Numa melodia em que o amor é o alimento.   

  Rosamar  Freedom    

publicado por lybelinha às 15:53

link do post | comentar | favorito
|

Razão e emoção - Mágica junção e motivo para escrever

   Se tudo já se disse, existe ainda a vontade de ter mais palavras para desejar poder expressa-las. Num segmento de decisão envolve-se numa só engrenagem, razão e emoção. Esse milagre se mistura sem se programar, apenas só na medida do bom senso e logo penso. Não julgo ser facil certa conjugação, mas sim verosímil e como tal a ingressar no reino das possibilidades. 

   Este papel pautado meu testemunho diverso e dedicado me ensina a acreditar nesta feliz possibilidade. É nele que a calma e o pensamento se perfazem e fluêm numa solidão tão singularmente acompanhada.     

publicado por lybelinha às 15:30

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Música, fugidio, o pensam...

. Um poema de tristeza (à p...

. Uma certeza (das minhas) ...

. Guardado na memória (estr...

. A tarde do teu olhar (na ...

. A incerteza dos meus dese...

. Tenho tempo (a vida em im...

. Rimas universais (na busc...

. In love (with all my devo...

. A felicidade do acaso (do...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds