Domingo, 28 de Junho de 2009

Mataram o acaso sem dó nem piedade- razões da fuga da criatividade humana

 

 

 

    Porque todos e tantos se queixam de que se sentem insatisfeitos com a vida com o dia à dia e até vivem bem, mas os dias apenas doem e dramatizam uma vida deprimida e despida de qualquer realidade consistente.Tudo tem curto prazo e nada faz sentido, o absurdo no comando.

     Nesta parca e e revoltosa análise, porque me senti nela também, denotei a exigência e a que tinham reduzido a esta falsa dimensão em que todos se julgam a viver e lancei uma hipótese para tentar chegar às verdadeiras razôes.É neste patamar de que tudo é um jogo em que só se podem contar ou com perdas ou com ganhos, e mesmo um longo  deserto se tem de pagar a peso de ouro. Ou seja tudo não passa de jogos de sorte ou azar, nada é nunca deixado ao acaso, tudo contabiliza num dos dois extremos, em que a sorte não é uma sorte igual ao seu significado primeiro, que é fruto do quanto nos empenhamos e trabalhamos com verdade e dedicação, e semeamos para a poder colher, a tal sorte que tanto pode acontecer ou não. Mas aqui é que está a distinção entre a sorte de primeiro sentido e a sorte ficcionada e obscurecida, em que nada tem a ver com razões claras e sérias, mas com realidades obscuras e escondidas dentro da cobardia humana em que a tudo se opõem à verdadeira criatividade livre e dinâmica.

    Não se tiram conclusões, vai-se percebendo o que está mesmo a acontecer como facto consumado e real. Uma verdade que se sente consumada é o facto de que o acaso deixou de existir.              

publicado por lybelinha às 20:44

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 27 de Junho de 2009

A importância do fitoplâncton II

Devido à existência de diferentes tipos de fitoplâncton temos também diversas concentrações de clorofila, que por isso se apresentam com variadas cores. Através de satélites sensitivos e instrumentos como " The sea viwing wide - of - view sensor ( thus ), que observam a cor das àreas restritas do oceano que nos ajuda a estimar a quantidade e a classificar o tipo de fitoplâncton nessa área e informa-nos qual a sua saúde e " chemestry " do oceano,

     Estas pequenas plantas são o princípio, o inicio da cadeia alimentar na maior parte do planeta terra. À medida que o fitoplâncton cresce e se multiplica, peixes minúsculos e outros animais comem-no como seu principal alimento. Animais maiores comem-nos por sua vez. A industria pesqueira encontra os melhores locais para pesca através da observação das imagens com as diversas cores das determinadas áreas do oceano que sinalizam quais são as áreas mais ricas em fitoplâncton. O fitoplâncton que se revela por meio da cor do oceano frequentemente indica aos cientistas em que àreas do oceano providencia nutrientes para as plantas crescerem.

    Ao mesmo tempo as plantas mostram onde a poluição polui o oceano e impede o  seu crescimento e onde acontecem súbitas mudanças no clima. Mar mais quente ou mais frio, mais salgado, menos salgado que vai afectar por sua vez o crescimento do fitoplâncton.  Desde que o fitoplâncton depende de  condições específicas para crescer, ele acaba por se tornar o primeiro indicador numa mudança no ambiente.

                                                                                                                             

 

publicado por lybelinha às 15:53

link do post | comentar | favorito
|

Coral ( com filtros violeta )

 Não derivo, sei nadar

 Entre letras, vogais ou consoantes

Dispersas, perto ou distantes

Entre ondas de desolação ou de amar

                        

Se não avisto quase nada,

imagino-me nesta madrugada

A percorrer toda a solidão.

Que traz carregado o meu coração!

                          

Da lua em que me dou enamorada

Avisto do maior silêncio e medo

Uma barreira de coral nunca imaginada

Num paraíso de biodiversidade a que me prendo.

                              

Se eu dei pela razão que te chamei

Não me encontrei, mas desperto

Com sentimento forte e emoção no peito

Dei por que estavas real e depois não sei...

                                      

Debati-me, sem saber se enfeiticei

Realizei-me nesta perfeita sensibilidade

Que alcançou o teu coração de verdade.

Adormecendo nessa certeza que alcancei.

                                           

A vida diversa me inspirou

No seu respirar, alegria e cor.

Dei por ti no olhar que desarmou

e senti-me transportada ao coral do amor!

                                                        

Nessas águas mornas tropicais

segui o sonho que me traz desperta

Compus um palco, coloquei filtros violeta

E transformei-o em sonhos verdadeiramente reais!   

 

Rosamar  Freedom

 

*   O Coral é o único organismo vivo visível da Lua. É o verdadeiro teste da biodiversidade marinha. Além disso é o maior construtor natural do planeta.Contendo atois, ilhas e a grande barreira de coral na Austrália com mais de 2000 km de extensão. Os corais são constituídos por animais vivos que comem plâncton.

publicado por lybelinha às 15:29

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Junho de 2009

Web imediata e validada

   Eu escolhi em ti um espaço infinito para te preencher de conteúdo com alma e coração. Sujeito à validade e por isso também aos imensos recomeços e estimulantes melhoramentos.

   Se colocar as minhas palavras num papel, elas necessariamente levitam em direcção a ele e jazem depois com o limite do tempo que as corrói a partir daí, sem que isso se possa evitar. Mas se as colocar no meu blog da internet elas têm a oportunidade da continuação em tempo presente e actual. Têm também direito à mudança sendo um blog, posso voltar atrás e substituir palavras ou frases e assim fazer mudanças no que eu quiser, tenho essa liberdade. Essa volatilidade cede à minha escrita mobilidade e vivacidade, porque só o movimento induz a ideia de vida.

    O reino das palavras que se transformam em seres que se movimentam e mudam, é apenas mais um dos sinais do tempo.  

publicado por lybelinha às 09:40

link do post | comentar | favorito
|

O bem da palavra poética ( a invisibilidade que se torna real e que se quer não efémera )

 

 

 

 Destrui só para poder construir começos

 Deleguei todos os poderes à imaginação

 Concedendo-lhe vontade e determinação

 Perdi-me na embriagues dos dias acesos

 Em rimas sinceras de querer e ambição

Ao ritmo preso de um pouco de felicidade no coração

 

A procura é sempre a mesma

 Ter um pouquinho ínfimo de felicidade

Possível ou impossível, não interessa

 A busca é essa, o clarão da luz liberdade

 Que possa invadir o espírito sem pressa 

 E me prenda no sentido de uma realidade não efémera! 

 

 


  Rosamar  Freedom  


                                                                     

                                                       

                                                           

               

publicado por lybelinha às 09:26

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Junho de 2009

O bem da palavra poética

Farta de fazer sentido no meu espaço

Porque esquecida me perdi

ancorada no desejo de completitude

De mãos dadas com as referências no regaço

Andei levezinha no meu sonho sem fim

Num vazio povoado de esperança e virtude

 

Esvoacei no meu céu

A contrariar sempre a falta de entendimento

De verso em verso, razão e mais coração

Dessa impossibilidade real que semeia o breu

vivia e vive o meu poema em determinação 

Sendo invisível torna real o meu sentimento

 

Personalidade poética na minha demanda

Traduz em letras bem desenhadas

a minha forma de ser e sentir o mundo

Assim me fui dando inflamada

pelo apreço do sonho que me traz calada

Desintegrada na integração do profundo

 

Rosamar  Freedom

 

 

publicado por lybelinha às 18:28

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Música, fugidio, o pensam...

. Um poema de tristeza (à p...

. Uma certeza (das minhas) ...

. Guardado na memória (estr...

. A tarde do teu olhar (na ...

. A incerteza dos meus dese...

. Tenho tempo (a vida em im...

. Rimas universais (na busc...

. In love (with all my devo...

. A felicidade do acaso (do...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds