Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

Constelação Orion ( o movimento lento dos corpos celestes na lente telescópica )

 

    Observatório, lua nova finalmente!

    Olho as estrelas no céu límpido.

    Todas as possibilidades de visibilidade,

    me levam assim o olhar de repente;

    Á minha frente um paraíso perdido...

    Agraciado no fluxo enérgico e sua luminosidade!

 

    Em cada espaço de tempo e área 

    Se vai desenhando a constelação Orion

    No límpido firmamento se constroem 

    Têm cor em figuras imaginárias

    Uma tão, tão vermelha que mais brilhou

    As outras rigel ( á orion ) que na íris se movem

 

    No calor mais abrasador, as amarelas

    Da cor mais bela igual ao sol, astro rei!

    De três mil a seis mil graus de calor

    Têm chispas e labaredas como o amor... 

    Que invade o espaço universal sem lei

    numa inspiração artística expressa em aguarelas 

 

Rosamar  Freedom  

                

        Translation       

Observatory, new moon finnaly!

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨++

publicado por lybelinha às 17:36

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 12 de Maio de 2009

Amor, queria te dizer

    Se cada vez que olhasse o mar

   pudesse interiorizá-lo no olhar

   Envolvê-lo entre a imaginação

    Reinventá-lo na sua imensidão

 

    Se te pudesse falar de quimera em quimera

    Sobre tudo o que se desenha

     Tudo o que se acrescenta

     Nesse sonho que é real deveras

 

     Salgado no seu desejo povoado

     Mar habitado por seres e entes

     Empírica visão de sereias e duendes

     Do sol que o ilumina no inesperado.

 

     Calmaria de ondas em agitação

      ângulos em turbilhão reflectem

      O som que  se inflama na ondulação

      Embalando as ondas a dançar na sua vertigem!

 

      Gostava que entendesses, amor

      Que não me visto de trivialidades...

       Permaneço num desuso em esplendor

       Que me veste de mar e fervor.

 

       A paisagem de sentido inspirador

       Abraça-me numa fuga tão secreta

       Motiva-me o olhar que se desperta.

       Permanecendo na vigília que esquece a dor

 

       Partindo para um mundo novo

       Inteiramente integrante do ser

       Que se procura no estar e permanecer

        Num encontro estreito e devoto.

 

        Sabes que completei em assombro

         neste céu, nesta luz, as escassas nuvens

         E um sol em círculo perfeito quase redondo

        em intercessão incessante se sabe que vens!


   Rosamar  Freedom  

                

publicado por lybelinha às 14:10

link do post | comentar | favorito
|

Exorcizar e enaltecer as qualidades

     O silêncio das qualidades é por vezes existente porque se interiorizou que as qualidades não precisam de apresentação, não é necessário que se fale delas. O que penso ser muito  desvalorizador para quem as tem e para quem rodeia quem as possui. Se se tem de mencionar discriminadamente todas as qualificações, porque é que não se faz o mesmo com as qualidades.

    É claro que não convém confundir qualificações com qualidades, as primeiras são algo para o qual se estuda e trabalha, mas que não nascem com ninguém, adquirem-se. Enquanto que as qualidades são inatas ao ser humano, nascem com ele e mantém-se até ao fim da sua vida, e se se possuem qualidades também se possuem defeitos. Os defeitos são confinados a fazer distinguir as qualidades.

     Ao longo da vida sempre me apercebi mais do ruído dos defeitos em contraste com o silêncio das qualidades. Há um constante e injusto hábito de minimizar as qualidades ou quase deixar que passem despercebidas e um maximizar dos defeitos. Não há uma busca, um esforço ou uma procura para tentar encontrar as qualidades que as pessoas têm, mas quase sempre uma procura nos outros de defeitos e daquilo que elas têm de menos bom e daquilo em que são menos perfeitas.

      As qualidades ou virtudes definem o ser humano naquilo que ele tem de melhor e devem ser destacadas, incentivadas e elogiadas e não ignoradas ou mantidas em segredo, ou até serem motivo de inveja. Julgo que se em todos os tipos de desempenhos que se exigem a cada um de nós contiverem para além do que é exigido, um pouco da própria pessoa, das suas qualidades humanas poderia pensar e acreditar sem ser de forma utópica que as relações entre os humanos seriam muito melhores. É tão mais agradável tecer elogios( que deveriam ser sempre genuínos e não enganosos ) do que apontar defeitos, estes só se deveriam sinalizar com o objectivo de tentar, não obstante ser difícil, corrigi-los ou fazer com que deixassem de existir. 

        Muitas e diversas vezes as virtudes ofuscam os defeitos de tal maneira que quase me esqueço que eles existem. Como seres eternamente imperfeitos, não se sabe ainda porque se valorizam tanto as imperfeições e se desvirtualizam tanto as perfeições ou porque se temerm assim tanto.         

publicado por lybelinha às 13:20

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Música, fugidio, o pensam...

. Um poema de tristeza (à p...

. Uma certeza (das minhas) ...

. Guardado na memória (estr...

. A tarde do teu olhar (na ...

. A incerteza dos meus dese...

. Tenho tempo (a vida em im...

. Rimas universais (na busc...

. In love (with all my devo...

. A felicidade do acaso (do...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds