Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008

O Planeta azul e eu

  Debatendo-me pela vida

   Não cedi à incredulidade

   E insurgi-me na minha verdade

                                                                                                

    Nesta perfeita terra

     Liberta de quase tudo

     Não desisti e fui fundo

                                                                         

    Tentei uma análise      

    Em repartimento da minha luta

    Que era simples e não fortuita

                                                                                      

     O meu planeta lazúli

     Da cor amarela e brilho vítreo

     Continha o meu eu em cor de lírio

                                                                                      

     A minha pátria na era movediça    

     Enterneceu em sentimentos e emoções

     E criou um mundo sem cobiça

                                                                            

    Localizou o país dos afectos    

    Construiu com imaginação e verdade 

     Todas as amarras que desatam a liberdade

 

     * afectividade : Capacidade individual de experimentar emoções e sentimentos

         Rosamar  Freedom

 

 

publicado por lybelinha às 14:46

link do post | comentar | favorito
|

Motivações ( Evolução ) - conclusões paradoxais - novo paradigma

 

      Ideias  comprovadas    "  O Homem é uma criação do desejo, não uma criação do necessário "  - Bachelard  

      Durante séculos os pensadores estudaram o que em concreto motivava os seres humanos na sua existência. 

       Desde de Décartes ( transcrito nas " Paixões da alma " ) que iguala a razão à vontade que impede as inclinações animais e nos torna humanos. Darwin que tem uma concepção cientifica, com a sua teoria evolucionista em que eram inatos nos seres humanos comportamentos humanos e comportamentos animais.

        Mais tarde com a antropologia cultural ( estudo do homem, o que constitui as ciências humanas; etnologia, história, sociologia, psicologia social, psicologia geral ) são postos em causa a universalidade dos comportamentos, uma vez que as motivações humanas não são comuns em todas as culturas. A motivação é um dos factores mais influentes no comportamento humano 

 

Donde viemos, para onde vamos

       Nos dias de hoje considero que a realidade humana continua a ser cognoscível se se partir do conhecimento do real mais o imaginário, duas partes que se fundem e formam a  complexidade dos seres humanos. Do ponto de vista antropológico e particularmente numa dada comunidade que se gere por um conjunto  de princípios de referência e orientação a quem a compartilha.

         Quando acontece uma alteração nesse conjunto de princípios, ideias e valores que sem querer proporciona uma mudança de situações pode ocasionar novas visões da realidade, o que leva a um salto de paradigma.

         Sem nos apercebermos o que está a acontecer, a mudança não se transforma em mudança e permanece numa realidade inexistente e numa congelação de conceitos que já não têm qualquer ponto de viabilidade na realidade que se vive.  

      

publicado por lybelinha às 13:56

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

Palavras escondidas ( Sonho ) - doce elegia

 

Escrever este poema

É como dormir e sonhar

Numa vigília em que se quer acordar

onde tudo se move de forma lenta

 


Todas as palavras são segredo

São como um tesouro escondido

Que se julgou já desaparecido

Numa ilha sonhada sem medo

 


Encontrou linhas e razões

Que se juntam sem pressa

Respiram numa chama acesa

Constroem caminhos e direcções

 


Não se esgotam, são ritmo e vida

Encantam o pior desencanto

São toda a esperança e secam o pranto

Acertam no coração e saram a ferida!

 


Escrevê-las é como sonhar

Não serão reais nem banais

Mas guiarão meus sinais

De que a coragem vai testemunhar

 


É o mundo da espontaneidade

Do verdadeiro e real impulso

Num destino casual de simplicidade

Tudo clareia e deixa de ser difuso

 


Sonhar é tudo o que é poesia

O mundo imaginário é cuidado

Tem uma vida de coração apaixonado

Tudo é sinuoso, especial e doce elegia


È o milagre do doce acaso

Que traz todos os nossos desejos

E que adivinha a natureza e seus mistérios

E simula a   verdadeira vida em papel e traço!

 


Rosamar  Freedom

 

 

publicado por lybelinha às 19:44

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008

Inteligência Emocional ( seres tão imperfeitos )

   Reconhecendo-me com  muitas imperfeições, não me surpreendem as imperfeições dos outros.

    Tudo começa com uma grande incompatibilidade entre a emoção e a razão. Do ponto de vista fisiológico há quem a tenta estudar e ao mesmo tempo explicar porque separamos tão imperiosamente o corpo da mente. Mas  acho uma forma tão limitada de analisar o ser humano já que este é uma amálgama de muitas influências e muitos factores.( Até devido às mudanças climáticas se pode estudar a evolução do ser humano como espécie).A raça humana acima de tudo insere-se dentro de um padrão antropológico, que se refere à antropologia que é a ciência das culturas , das artes e da moral das raças da espécie humana.

     Quando se dá uma visão antropológica hoje, devido à grave crise de identificação com um ideal de perfeição a atingir, há um total esvaziamento de valores estabelecidos por uma dada cultura. Estamos na era da falta de crença nos arquétipos mais elevados, como o Bem, O belo, a Bondade, a Verdade, e com uma grande tendência para humanizar arquétipos de baixa moral e mau exemplo.

 

     Do ponto de vista de Freud há uma distinção do real entre a realidade em que se demonstra que o real, o simbólico e o imaginário, por esta ordem fazem parte da estrutura psíquica e se se retirar um deles os dois outros não fazem estrutura e partem cada qual para seu lado. O que é difícil é tornar esta estrutura toda a origem verdadeira do ser humano e torná-la explícita nas suas acções e após essa exteriorização perceber que se está a perder.  

        

publicado por lybelinha às 17:01

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 16 de Setembro de 2008

Objectivos ( Criar ) - pragmáticos e utilitários positivos

 

 

 

 

     Criar pode ser um impulso natural, o que julgo ser a definição mais perto da verdade, mas se a sua finalidade se acaba na  sua origem, apenas um impulso espontâneo , tudo se torna limitado. O acto de criar tem que ter em conta  todas as perspectivas ilimitadas, ou seja, conter uma criatividade que abranja o maior número de possibilidades e objectivos.

       O entretenimento é e pode ser apenas isso, puro entretenimento, mas porque é que não se cria entretenimento útil, que educa e ensina as pessoas e ao mesmo tempo  entretém, não no sentido de as moralizar, mas de lhes mostrar os diferentes caminhos para lhes possibilitar o direito de escolher. Pois todos nós sabemos quais as consequências do bem ou do mal. 

      Os jogos de " vídeo games " são lideres na tabela de compras dos pais aos filhos e a educação deles é feita através desses mesmos jogos. E há um sinal muito forte de quase a maioria dos jogos que são concebidos ( há excepções e espero que aumentem ), para computadores não serem didácticos ( próprio para instruir ), e pior cultivam hábitos de violência virtual que já tem consequências nefastas ao nível dos relacionamentos na sociedade e que por vezes se transformam mesmo em consequências fatais.

       Acredito que a contemporaneidade se traduza num grande vazio de sentido, mas que será o futuro? Uma multidão de pessoas violentas sem qualquer objectivo a não ser a destruição. Então porque não travar o desastre, pelo menos virtualmente, é só mudar o rumo e dar a possibilidade da liberdade de escolha: Violência ou não violência. Tentar resgatar o futuro destruído e inverter o seu caminho, não edificar monstros e devolver o livre arbítrio indivídual.  

        Quando se passa do virtual para a realidade choca-se com o ôco sem sentido e cheio de mácula. E isso só muda quando o livre arbítrio das pessoas funciona e acredito que em liberdade individual sem imposições nem persuações o ser humano opta na maioria das vezes pela edificação de uma realidade mais imaculada e mais solidária. É a melhor maneira para, pelo menos, sentir uma réstia de esperança que poderemos viver melhor uns com os outros na comunidade.Deixar de ser apenas meros joguetes ou peças de engrenagem só porque disso depende a nossa inserção na comunidade. Tentar fazer com que isso dependa muito mais do bem do que do mal.Competição e cooperação, ambas tem de fazer parte da vida social em comunidade.    

publicado por lybelinha às 16:36

link do post | comentar | favorito
|

História Inacabada

Perdi-me por entre estes ou outros

Pontos de interesse e dei por que me esqueci

de terminar o meu sonhado conto

Por meio de pedaços criativos soltos

Não encontrava a imagem do herói que defini 

Poderia ser piloto, biólogo, mas era cientista astrónomo.

 


Tudo foi guardado para a sua construção:

As flores de papel, a urze, as árvores,

as paisagens marítimas, os pores do sol,

os mandarins coloridos, o ilustre gaivão,

os mistérios alquimistas, a ponte dos nenúfares,

a roxa alfazema, o anel em forma de atol.


A cor do mar com todo o colorido dado pelo céu,

o astrolábio para procura de constelações,

as algas artísticas com peixes palhaço ,

nos ventos boreais, na gota da folha, que desvaneceu,

nos brancos e odoríferos roxos lírios em ficção,

nas pedrinhas modulares transparecendo nos riachos.

 


A fileira de orgulhosos carvalhos,

a fineza triste dos artesanais chorões,

as várias enigmáticas formas de rochas,

as nervuras das simétricas folhas de amores- perfeitos,

o som das ondas do mar em turbilhões,

o cheiro do iodo que vem na maresia das primeiras horas.

 


O telescópio de duplas lentes de imaginação,

o céu estrelado na imensa noite de luar,

o eclipse do sol roubado pela sombra da lua,

os primeiros sinais do dia no horizonte de imensidão,

o cantarolar do canário de afinado chilrear,

os sons da natureza na espiral da rosa a depurar.

 


Decalcando todos os possíveis objectos de criatividade

Que me íam acendendo ilimitadas possibilidades

Enfatizei a misteriosa imagem do herói personagem

procurava-a em vão, mas em toda a veracidade

Para compor o meu enredo de preciosidades.

Na composição tridimensional, com céu, sol e paisagem!

 


No desenhar de tantos objectos criativos,

me enredei com espírito e minúcia

Sabia as cores variadas do céu e do mar,

sabia a perspectiva, a mistura dos pigmentos,

o revestimento na construção da superfície translúcida.

Mas procuro ainda na personagem a cor do seu olhar.


 Criar personagens dar-lhes sentimentos

Sensibilizar-lhes o monólogo interior

Caracterizar as memórias psicológicas

Torná-los mais emocionais em temperamentos

Completá-los mais pelo desejo do amor

Ou com características mais de superfície e lógicas.

 


       Rosamar  Freedom

 

publicado por lybelinha às 14:43

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

Fisher spice pen ( s ) - canetas da lua-

 

Na cálida lua enamorada

 

Chegar a ti é como magia

É como chegar à lua

Numa levitação tardia

 

A tua lividez quase sombria

Deu lugar no meu olhar

Que nesse mistério não se permitia

 

A alma acendeu no breu

numa estranha intimidade

foi-se mostrando no mais alto do céu

 

Cálida lua nessa indefinição

Que segura se desvanecia

Na paixão inteira de corpo alma e coração

 

No seu desenhar  os luares

São luz que transparece

O brilho que emana dos nossos olhares

 

Quarto minguante, não te quero distante

quarto crescente, coração que sente

Lua nova, trova de amor ardente

 

Selada a promessa guardada

Acalento este tesouro

Que se aloja no peito. é de ouro

 

Lua cheia fria , mas cálida

Invade toda a escuridão

Numa confissão de promessa de vida

 

Os contornos desse sonho

Tornado finalmente em realidade

São desenhados em sua finalidade

 

A lembrança tenue do amor

Que transpõe o seu desejo

Na madrugada mais bela em seu alvor

publicado por lybelinha às 16:46

link do post | comentar | favorito
|

Das ideias de origem à reflexão critica das diferentes matérias

 

     Este desencontro entre o ser e o estar pode-se explicar mais facilmente se o fizer do ponto de vista poético pois o ser poeta ou poetisa tem um cariz de pouca inteligibilidade em que a procura constante é e sempre será a busca de um possível equilíbrio entre o ser e o estar.Os poetas são intrinsecamente ligados à verdade, à justiça, a um ideal de perfeição e ao mesmo tempo têm uma exigência constante pela sua liberdade, quer artística quer para o mundo( que é a sua casa, è o seu ponto mais alto de criação é a partir dele que criam e sonham ). Não concebem a vida sem um lugar para sonhar sempre com um mundo melhor.Tudo isto se encontra inevitavelmente nas ideias de origem que estão impregnadas de pureza e de verdade.

      Para o poeta  crescer tem de sofrer muito mais do que o que seria necessário.. Tem de haver uma parcial libertação das ideias puras  Que lhe conferem a sua natureza e verdade. Ao evoluir da sua essência que o prende numa imobilidade que o torna prisioneiro de si mesmo sem entender porquê e adormece num sono silencioso e muito doloroso. 

     Após ter  a muito custo  ultrapassado esta experiência, por isso a entendi senti que as ideias estavam também  prontas para evoluir para uma nova fase e um novo dinamismo. Tentei transmutar situações iguais para contextos diferentes numa tentativa de tornar as ideias mais aproximadas da realidade. Assim poderia dar lugar à sua reflexão critica mais aproximada do homem real. Objectivo principal desta minha reflexão, a aproximação ao homem.

publicado por lybelinha às 15:15

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Música, fugidio, o pensam...

. Um poema de tristeza (à p...

. Uma certeza (das minhas) ...

. Guardado na memória (estr...

. A tarde do teu olhar (na ...

. A incerteza dos meus dese...

. Tenho tempo (a vida em im...

. Rimas universais (na busc...

. In love (with all my devo...

. A felicidade do acaso (do...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds