Sábado, 23 de Setembro de 2006

A criatividade da Poesia ( Reflexões ) - Dois

Fui observando e interessando-me pelo trabalho dos artistas e cheguei ao pensamento que quem a veicula de forma mágica e sinuosa são os artistas que desvendam a alma de uma maneira tão fácil aparentemente que esta quase se torna em algo  atingível e próximo. Mas se alguém o tentar fazer, não o conseguirá facilmente e sentirá decepção e desilusão.  

A alma é pura e livre, não quer correntes nem barreiras e daí a  presente descontinuidade da poesia que não oferece quase nunca uma sequência ordenada e estruturada com um inicio, um desenvolvimento e uma conclusão, como encontramos nos romances e nos contos.  

São muitos os motivos que fazem um poeta poetizar, um dos pricipais julgo ser o sofrimento, seja qual fôr a razão pela qual se sofre, sendo assim é um dos meios de libertação da alma dos poetas e do sofrimento mais profundo existente nas profundezas da alma. A sua única forma de expressão é versejar em rimas feitas lágrimas que vão lavando e livrando a alma do poeta da sua dor imensa e sem remédio a não ser o desenhar das suas palavras feitas versos no desalento que procura um refúgio nem que seja temporário ou fictício .

Tudo o que escrevi e escrevo o senti em cada momento irrepetível e infinito que iniciei um poema, quando estava triste, desiludida e numa profunda solidão.   

Uma das outras razões porque iniciei uma poesia e na qual penso com satisfação e felicidade, é a secreta inspiração que ao contrário do que se julga é fruto não da complexidade, mas da simplicidade daquilo que nos rodeia e que olhamos vezes sem fim com indiferênça e soturnidade cheia de incredulidade, o que torna tudo em estado inexistente ou cruelmente invisível.   

publicado por lybelinha às 18:50

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 19 de Setembro de 2006

A criatividade da Poesia ( Reflexões ) - Um

Considero ser a poesia o estado mais puro da criatividade pois esta revela a alma, despe o ser revelando sem pudor nem véus todos os segredos, sentimentos, contradições e motivações que contém a alma dos poetas. Para aqueles que pensam que a poesia não se explica, talvez possa dizer-lhes que esta não é de facto normalizada e tem um cunho de descontinuidade muito acentuado . Traduz a liberdade total das ardências da alma.  

Assim se desvendam os labirintos da alma, a sua continuidade só acontece quando os seus encadeamentos desejam a sua junção, não obstante ela se afigura em encaixes fortes e embriagantes, com motivos completamente misteriosos mas muito significativos e sobretudo belos. A alma é uma janela na periferia dos pensamentos que só se abre em circunstâncias especiais.   

publicado por lybelinha às 21:36

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Setembro de 2006

A Criatividade Encantada ( a didáctica do encantamento )

  É no desejo de ser diferente, de me transformar que eu me sinto uma criança envolta em sonhos plenos de encantamento e de " heróis do bem" que combatem os " heróis do mal".

É uma crença pura em que acredito que é totalmente possível extinguir o mal e guardar o bem. É talvez ( nunca há certezas)  devido à vontade de nunca deixar morrer essa criança que jamais esqueço que fui, que me faz destinguir das pessoas consideradas adultos normais.Sem saberem que caíram na armadilha, a de uma existência enfadonha, limitada e conformista.

Não sou uma criança, mas sou uma adulta que guardo a criança que fui num cantinho minúsculo da minha memória. E foi assim que soube que era escritora, a minha vida não tinha significado, não existia sem esse encantamento do « Sonho Criança ».

No poder de nos transformarmos reside  o poder de pudermos ser melhores, e essa possibilidade é que faz girar o grande coração humano  que nos distingue definitivamente como seres humanos que somos, é a nossa particularidade individial comum a toda a raça humana.

É um sentimento que me faz querer acordar todas as manhãs, é nessa possibilidade que para sempre vai residir a minha vontade. É um sentimento puro sem fingimento, nem artiificialidade que está dentro do meu ser .É o que me incentiva a não desistir e a continuar. por isso não consigo deixar de escrever, é como morrer se isso acontecer.           

publicado por lybelinha às 19:38

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Se pudesse chegar - If it...

. Indefinitivas palavras - ...

. Experiências na vagueza d...

. Os dias de hoje - Nowaday...

. Mundo universal - Univers...

. Com a sombra da tristeza ...

. Na poesia, como na música...

. Na poesia, como na música...

. O fulgor da audiência ( A...

. Rumo contra a maré - A in...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Janela da imaginação - es...

. A criatividade do sonh...

blogs SAPO

.subscrever feeds